Albuquerque quer ganhar as eleições no próximo ano e manter a liderança na Madeira

14 Dez 2018 / 21:24 H.

Passava pouco das 19 horas quando Miguel Albuquerque votou hoje na sede de São Martinho para as eleições internas do PSD/Madeira.

O presidente dos sociais-democratas, que se apresentou com uma lista única às diretas do Partido indicou o caminho que deve ser seguido: ganhar as eleições no próximo ano e manter a liderança na Madeira. É a salvaguarda do interesse comum dos madeirenses e dos porto-santenses que está em causa.

“Não há outro partido que possa conduzir os destinos da Madeira no quadro autonómico e de liberdade de direitos dos madeirenses e dos porto-santenses que não seja o PSD”, sublinhou Albuquerque, assegurando que até o final desta legislatura todos os compromissos serão cumpridos.

“Temos um conjunto de medidas para concretizar num quadro do programa de governo, que estão consubstanciadas neste orçamento. Medidas muito importantes, para melhorar as condições de vida dos madeirenses e dos porto-santenses.”

Miguel Albuquerque considera que o facto de haver apenas uma lista é sinal que o Partido continua dinâmico, vivo e unido, referindo que este é o tempo para “materializar essa unidade no terreno”. Uma unidade necessária porque “partidos fragmentado e divididos não ganham eleições, nem dão confiança nem credibilidade à nossa população.”

O líder dos sociais-democratas lembrou o passado glorioso do PSD ao serviço da Madeira e falou também sobre o presente, frisando que a renovação de quadros não implica ostracizar as pessoas que deram muito ao Partido.

“Temos um património de 42 anos ao serviço dos madeirenses e dos porto-santenses, na construção da Madeira moderna e, obviamente, os quadros do Partido são todos importantes. É preciso renovar, é preciso ouvir a experiência – os militantes mais antigos, aqueles que fazem parte da nossa história – e continuar a auscultar e ter uma proximidade muito grande à sociedade.”

O PSD/Madeira, referiu Albuquerque, é um Partido que, passados 42 anos, continua a liderar a Madeira porque tem princípios, tem valores e tem sobretudo capacidade de luta e de defesa daquilo que entende ser justo.

“Neste momento nós vamos continuar a nossa luta na defesa do nosso povo. Acima do nosso Partido está o Povo Madeirense. Esse é a matriz e o alicerce da nossa acção”, concluiu.