“A política só faz sentido se for útil às pessoas”, afirma Rui Barreto

14 Dez 2018 / 21:20 H.

O líder do CDS-PP Madeira lembrou esta noite o que afirmou no congresso que o elegeu em Julho, quando assumiu que “a política só faz sentido se for útil às pessoas”. Desde então tem guiado o partido por esse caminho. Foi assim enquanto vereador na CMF, onde fez aprovar o apoio nas creches para as crianças do privado, travar o aumento da derrama em 200 por cento, criar o Cartão Eco, que dará descontos na conta da água, e preparar instrumento para que os munícipes possa legalizar as chamadas casas clandestinas. E agora, durante a discussão e aprovação do Orçamento e Plano para 2019, onde, pela primeira vez, na história da Autonomia, um partido na Região conseguiu convencer o PSD e o Governo Regional da bondade da proposta do CDS para reduzir o preço dos passes sociais, com uma descida significativa nas tarifas para quem utiliza os transportes públicos, pagando apenas 30 euros no Funchal e 40 nos outros concelhos, no regime de contratação pública para que escolas, lares e hospitais utilizem preferencialmente os produtos da Região na confecção das refeições, e na descida da taxa de IRC para 13 por cento, a mais baixa em todo o país, para rendimentos tributáveis das empresas até 15 mil euros, proposta que irá beneficiar 80 por cento das pequenas e médias empresas do tecido empresarial regional.

Rui Barreto falava na noite de sexta-feira, na festa de Natal dos militantes e simpatizantes do partido, que reuniu mais e 500 pessoas no restaurante Encumeada. Entusiasmado com a adesão, aproveitou para dizer que “o partido está unido” e fez uma espécie de resumo dos seis meses de liderança. “Apresentei no congresso um conjunto de ideias muito claras, estudamos os assuntos e apresentamos soluções, temos tido um comportamento responsável, moderado e construtor de ideias, seja nas autarquias onde fazemos oposição, seja nas autarquias onde lideramos, fizemos também o mesmo no Orçamento da Região para 2019”, afirmou, para continuar. “Temos como certo que as pessoas estão cansadas de governos arrogantes mas estão também cansadas de oposições bota-abaixo.”

E numa alusão às três propostas do CDS aprovadas no Orçamento, Rui Barreto lançou questões para a plateia: há algum madeirense que não concorde com a medida para rever o preço dos passes sociais? Há algum madeirense que não concorde com a medida para defender a agricultura regional? Há algum madeirense que não concorde que as pequenas empresas, que são mais de 80 por cento, tenham uma taxa de IRC de 13%? “Pois bem, estas foram as três propostas apresentadas pelo CDS e que foram aprovadas pelo Parlamento, algumas delas por unanimidade”, declarou, fazendo uma nota. “O CDS regozija-se por ter contribuído para melhorar este Orçamento e para melhorar a vida dos madeirenses. Estou a liderar o CDS há seis meses, sinto que o partido está unido, a prova disso é esta sala esgotada, isso revela o estado de alma, a força e a energia que me têm transmitido. Nós temos conteúdo, nós temos ideias, que já são reconhecidas onde fazemos oposição e onde lideramos. Temos força, somos credíveis e temos ideias, por isso peço-vos uma coisa: peço aos autarcas que me levem para a rua, levem-me a todas as freguesias, porta - a -porta, porque ideias e conteúdo o CDS tem, só precisamos de dá-las a conhecer melhor.”

Outras Notícias