317 professores colocados no Pré-escolar e 1.ºCiclo

Ao Sindicato já começaram a chegar as queixas de quem ficou de fora do que pediram destacamento e não foi concedido

31 Ago 2018 / 10:54 H.

Estão já publicadas as listas referentes ao concurso para selecção e recrutamento do pessoal docente da educação e dos ensinos básico e secundário e do pessoal docente especializado em educação especial para o ano escolar 2018/2019 - Concurso de afectação aos quadros de zona pedagógica. Para o Sindicato dos Professores da Madeira os resultados são preocupantes. Na lista de colocações, foram colocados no Pré-escolar 155 professores e 162 no 1.º Ciclo, para além dos muitos outros nos restantes agrupamentos.

Luísa Paixão revelou que já esta manhã começaram a receber reclamações de alguns docentes, nomeadamente que pediram destacamento porque têm filhos menores e cujos pedidos não foram atendidos. Há também casos de professores de alguns grupos disciplinares que não ficaram colocados, nomeadamente no Pré-Escolar, no 1.º Ciclo e nas Artes.

Os professores que não ficaram com turma significa para o SPM que outros vão ter uma no lectivo sobrecarregado e que há projectos que ficam pendentes. Estes professores ficam numa reserva de recrutamento e são chamados para substituir ausências, nomeadamente em outras escolas que não a escola a que estão ligados. Quem tem uma turma tem a garantia de que fica nessa instituição de ensino durante quatro anos, o que contribui para a estabilidade na vida destes docentes.

No entanto a grande preocupação, explicou Luísa Paixão, são os professores contratados, cujos resultados só serão conhecidos em Setembro. A sindicalista tem esperança de que não sejam menos do que os que foram contratados no ano passado. Recorda ainda que pelo menos cem deixaram a região, “o que significa cem lugares que ficam livres”.

Na segunda-feira o SPM promove uma concentração /plenário junto ao Instituto de Emprego da Madeira precisamente para chamar a atenção para a precariedade da situação dos professores contratados. A partir das 10 horas.

Vinte mil professores ficaram hoje colocados no ano lectivo 2018-2019 a nível do continente, anunciou o Ministério da Educação no dia em que foram publicadas as listas de docentes.

Este ano realizaram-se sete concursos: concurso interno antecipado, concurso externo ordinário, concurso externo extraordinário, concursos interno e externo do ensino artístico, mobilidade interna e contratação inicial.

Segundo o Ministério da Educação, foram vinculados cerca de 3.500 professores, a que se somam cerca de 3.500 docentes que vincularam em 2017, “o que representa um número de vinculações sem precedentes”.

No concurso de mobilidade interna foram distribuídos perto de 14.000 horários a professores do quadro (cerca de 11.000 em horários completos e cerca de 3.000 em horários incompletos).

Na contratação inicial ficaram colocados perto de 6.000 docentes contratados, dos quais cerca de 3.000 em horários completos.

A tutela realça que, no cumprimento da lei, “foram distribuídos horários completos e horários incompletos na mobilidade interna aos professores do quadro”, pelo que terão de ser contratados “cerca de 3.000 docentes externos para ocupar horários completos, apesar de terem vinculado aos quadros 7.000 professores nos últimos dois anos”.