2020 começa com novo aumento no desemprego registado na Madeira

15.654 pessoas estavam inscritas no IEM, mais 2,2% do que em Dezembro do ano passado, mas menos 5,5% do que há um ano

20 Fev 2020 / 13:26 H.

No final Janeiro de 2020 o desemprego registado fixou-se em 15.654 inscritos, menos 907 desempregados do que em Janeiro de 2019 (-5,5%) e menos 1.657 candidatos do que em Janeiro de 2018 (-9,6%).

Face ao mês anterior contabilizam-se mais 330 inscritos, correspondente a um aumento de 2,2%. Esta evolução reflecte o comportamento cíclico de aumento do volume do desemprego registado nos meses de Inverno, no qual se evidencia a tendência decrescente deste indicador nos últimos anos.

O aumento do contingente de inscritos verificou-se também a nível nacional, com maior intensidade (+3,2%). Efectivamente a Região foi uma das que registou menor variação relativa, atrás apenas dos Açores que apresentam uma estagnação (+0,1%) e da região Norte (+1,8%), enquanto que o Algarve, cuja actividade económica também é fortemente marcada pelo turismo, apresentou um crescimento de 6,9%.

Na Região Autónoma da Madeira, a tendência decrescente positiva contribuiu para a diminuição significativa do número de novas inscrições de desempregados que diminuiu em 8,9% em termos globais de 2019 face a 2018 e que em Janeiro de 2020 voltou a ser inferior ao mês homólogo (-1,7%).

Como sinal positivo salienta-se também o aumento homólogo do número de ofertas captadas ao longo do mês (+1,6%), que embora ligeiro, foi contrário à evolução a nível nacional (-3,1%). Efectivamente, excepto o Norte e a Madeira, todas as restantes regiões apresentam uma diminuição das ofertas captadas ao longo do mês, comparativamente ao mês de janeiro de 2019.

Entre os inscritos no fim de Janeiro contavam-se 1.255 candidatos provenientes da Venezuela, o que corresponde a cerca de 8% do total de inscritos.

Observando um período mais alargado, constatamos que o mês de Janeiro de 2020 apresenta o menor volume de desemprego registado neste mês desde 2011. Este valor corresponde a menos 7.911 desempregados (-32%) do que o valor do mês de Janeiro de 2013 (24.472), o mês de Janeiro mais elevado desde que há registos e o terceiro mês com mais desempregados, só atrás de Fevereiro e Março do mesmo ano.

A diminuição do desemprego registado foi generalizada, notando-se um maior contributo dos desempregados de longa duração, que contabilizam menos 524 candidatos face ao valor de Janeiro de 2019. Observa-se ainda uma maior intensidade na redução homóloga nos candidatos a primeiro emprego e nas mulheres com menos de 25 anos.

Quanto às habilitações, verifica-se a estagnação do número de candidatos com o ensino secundário completo enquanto que quer os níveis mais baixos quer os diplomados do ensino superior apresentam diminuições significativas e superiores à média (-8,1% para os candidatos com o 6º ano como habilitação máxima e -8,8% para os desempregados com qualificação superior).

Em comparação com Janeiro de 2019, verifica-se que o número de desempregados diminuiu em praticamente todos os grupos profissionais, destacando-se os “52- Vendedores” (-168 inscritos) e os “51 - Trabalhadores dos serviços pessoais”, que incluem e cozinheiros, empregados de mesa e bar, e esteticistas entre outras profissões (-129 candidatos). Em sentido contrário destacam-se com uma expressão muito inferior, dois grupos ligados à construção: “71 - Trabalhadores qualificados da construção e similares, excepto electricista” (-33 inscritos) e “74 - Trabalhadores qualificados em electricidade e em electrónica” (-24 inscritos).

Em Janeiro de 2020 registaram-se 488 integrações no mercado de trabalho. Parte destas integrações registadas resultam da participação em medidas de emprego cujo objectivo imediato é do aumento de competências profissionais, bem como do impacto de sessões de informação e orientação profissional organizadas pelo IEM, em que se procura fomentar a procura activa de emprego e a autonomia dos desempregados.