O nosso caro Instituto de Emprego

25 Jun 2019 / 02:00 H.

    Há poucos dias li uma notícia sobre a taxa de desemprego na R.A.M., que dizem ter baixado. E pergunto-me, até que ponto são verídicas aquelas informações? Será que tudo não passa de boa publicidade ao Instituto de Emprego? Ou será que o Instituto de Emprego está mesmo a fazer o seu trabalho eficientemente?

    Eu não sei quanto a vocês, mas a meu ver, os números só desceram, porque os desempregados, não vendo outra solução por cá, mandaram tudo isto à fava (para não usar outro termo), e emigraram.

    Só quem vai ao centro de emprego, ou aos pólos de emprego, para ver tamanha incapacidade para fazerem aquilo funcionar. Serei a única a achar, que lá não ajudam os desempregados? É que, para além da falta de vontade de os funcionários lá estarem a atender pessoas, parece que só são encaminhados para os empregos decentes, quem lá tem “amiguinhos”... Alguém me explica como se arranja um “amiguinho” lá dentro? Aposto que todos os desempregados gostariam de saber a resposta!

    Que me perdoem os funcionários, que ainda agem de forma correcta, mas chegar a um pólo de emprego, para se candidatar a uma proposta publicada no site e ouvir: “Você outra vez!?”, não é a melhor forma de começar o atendimento. E não é muito melhor, ser encaminhada para um emprego e ouvir:“O lugar já está ocupado, não sei porque a mandaram cá!”

    Sempre que vem a cartinha para ir aqui ou acolá, ouvir alguém falar disto ou daquilo, lá temos que estar presentes, para não nos anularem a inscrição no Instituto. Sempre que vem o bendito cartãozinho, tem que ser preenchido e enviado logo pelo mesmo motivo... Pelo menos não temos que pagar selo. É mesmo uma sorte!

    Ana L. Sousa