Veículos eléctricos

16 Ago 2019 / 02:00 H.

    Em ano de comemoração dos 600 anos da descoberta da Madeira, Zarco ou Teixeira pouco imaginavam que um dia as [suas] ilhas iriam ganhar vias rápidas com veículos com baixo impacto ambiental, quer no seu fabrico, quer na sua forma de locomoção, ou seja, silenciosa.

    Relativo a estes, quero deixar vários alertas:

    1 - Aos condutores, não desliguem o “som” dentro das localidades pois uma pessoa com mais idade perde algumas propriedades auditivas e não consegue ouvir a chegada de um veículo destes;

    2 - Aos peões: olhos, ouvidos e siga. Por favor, circule no canto da estrada. Muitos são os relatos de alguns sustos que se dão dentro das localidades por causa do silêncio de um veículo eléctrico. Pede-se cautela;

    3 - Aos condutores de veículos de combustão: senhor ou senhora condutora, em período de greve dos motoristas de matérias perigosas, você não gostaria de ir “à bomba” e não poder abastecer devido a lá estar estacionado um veículo eléctrico. Portanto, da mesma forma, não pare em locais de carregamento para veículos eléctricos. Chamam-se postos de carregamento normal, rápido ou lento, ou seja, PCN, PCR ou PCL. Por favor tenha atenção a isso e não pare lá: poupam-se chatices, poupa-se a paciência, poupa-se a chamada para a PSP, você poupa a multa de €60 e pode poupar também ter de enfrentar um condutor de V.E. em fúria, à espera que tire de lá o carro.

    4 - Aos condutores de veículos eléctricos. Da mesma forma que os outros, parabéns senhor ou senhora por ter adquirido um veículo eléctrico. Agora, por favor, respeite a sinalização do PCR, PCN ou PCL. Por norma, o PCR tem limite de carregamento de cerca de 45 min. O PCN da Av. Sá Carneiro também tem o mesmo limite. No caso dos restantes postos, impera-se o bom senso - logo - os PC’s não são lugares de estacionamento!!! Se assim o quiser tem à disposição parques públicos tais como o 2000 e o Autosilo do Campo da Barca que têm lugares que carregam a 3.5kwh. Use esses para estacionar, só e apenas!

    5 - Ao governo, entidades municipais e demais instituições: parem de prometer e vamos passar à acção. Porque, digam o que disserem, o veículo eléctrico ainda não é a solução para a salvação do planeta mas, entre ter o meu filho a brincar à beira de uma estrada com fumarentos, ou com eléctricos, certamente eu prefiro a segunda hipótese. Já existem incentivos reais à aquisição de veículos eléctricos. Vamos agora dotar a região de infra-estruturas de carregamento adequadas! Onde estão os PC’s de Câmara de Lobos e Santa Cruz? Zero. Santana tem um PCL, carrega a 3.5kwh, e é, de entre os utilizadores de VE’s, o posto de carregamento mais lento da Madeira. Veja-se o exemplo do Porto Moniz que é um dos concelhos menos populosos da madeira: tem um PCR e um PCN. Machico também está bem dotado (apesar da fraca sinalização dos postos) e o Funchal... é demasiado grande para apenas um PCR e um PCN.

    6 - A velocidade de carga: para uma bateria de 40kw, por exemplo, se um posto carrega a 11kwh, levará à carga completa em pouco mais de 3h. No entanto, estes tempos são para uma carga dos 0 aos 100%, o que raramente é aconselhável fazer. Se tiver de fazer uma carga num posto público, é altamente recomendável saber os tempos de carregamento do seu veículo, pois nem todos têm carregamento rápido em qualquer posto.

    7 - “Ah e tal mas isso vai ser pago, mais cedo ou mais tarde”. Aos mais cépticos que não largam o seu “fumarento” por nada, eu peço: não falem de cor. Sabiam que não se paga nada por fazer um test drive a um VE? Antes de adquirir a minha viatura, fui a todas as marcas que vendem VE’s na Madeira e fiz o test drive sem qualquer custo. Só assim pude tomar uma decisão informada. O veículo eléctrico não é a salvação para o ambiente nem para o aquecimento global. Tem prós e contras? Tem. Mas não acredito que alguém tenha dúvidas de que é, em quase tudo, melhor que um veículo a combustão: no ambiente, no rendimento e, acima de tudo, na carteira!

    João Caldeira