Corrupção

18 Mai 2019 / 02:00 H.

    O nosso país está por conta dos corruptos. Estamos continuamente a receber notícias de alta corrupção que vai defraudando o erário público. No dia 15 do corrente mês fomos novamente informados/as que foi detida uma alta funcionária das Finanças por suspeita de passar informações ilegais a um advogado, de modo que ele pudesse servir melhor determinados empresários para quem prestava serviços. Além dessas informações ilegais ainda teria passado declarações falsas a empresas, alegando que as mesmas não tinham dívidas ao fisco.

    O dito advogado, que recebia essas informações privilegiadas também foi detido. Penso que os maiores negócios ilegais em Portugal se passam em grandes escritórios de advogados, onde se estuda e se prepara a defesa dos maiores corruptos do nosso país.

    Nesta rede de corrupção já conhecíamos a cara de diversos banqueiros, políticos, empresários, agora aparece-nos pela frente o Berardo que, acompanhado por um ou mais advogados foi à Assembleia da República rir à nossa custa, dizer que agora é pobrezinho, só possui uma garagem (deve ser onde ele dorme), que as obras de arte não lhe pertencem, mas sim da empresa dele, etc. etc. Gostava muito de saber em que nome está agora a QUINTA DO MONTE. Se um pobre faltar com os seus compromissos ao fisco ou aos bancos perde todos os seus bens. Porém, os “Senhores Empresários” dizem que não pagam e fica por isso mesmo. Que mal aconteceu ao Ricardo Salgado? E aos responsáveis que afundaram o BPN e outros? Foram punidos? Os responsáveis pela perda de milhões da CGD para o Berardo e outros ainda lá estão a viver à grande e à francesa à custa do banco do Estado. Responsáveis pelo Banco de Portugal, como o Vítor Constâncio, já se esqueceram do que aconteceu quando geriam as contas e o dinheiro do BP. Não se lembra e pronto. Mas será que um qualquer cidadão pode alegar perante a justiça que não pagou impostos por se ter esquecido? Quem é que aceita essa desculpa? Mas os tais dizem, afirmam e não lhes acontece mal nenhum. Vivemos no país da aldrabice.

    Segundo a C. Social, uma empresa da Zona Franca da Madeira esteve quase 6 anos (63 meses) sem pagar a S. Social, cerca de 90 mil euros, quando é a lei obriga a pagar a S. Social dos trabalhadores até o dia 20 do mês seguinte. A empresa não poderia laborar sem efectuar estes pagamentos. O que é que esta empresa fez para passar incólume quase 6 anos? E os responsáveis oficiais onde andavam que não actuaram a tempo e horas?

    Até os cadernos eleitorais na Madeira contêm mais eleitores que residentes. Como é possível? Segundo dados estatísticos, há 2 anos residiam 254 000 pessoas na Madeira. Tendo em conta que os menores de 18 anos não votam, o número de eleitores tem de ser menor que os residentes. Contudo, 257 791 eleitores estão inscritos nos cadernos eleitorais. Esta anomalia já existe há alguns anos e ninguém tenta corrigir o que quer que seja. Porquê? Quem terá a responsabilidade de verificar e acertar os cadernos eleitorais?

    Alguém pode dizer que isto não é corrupção. Certo. Mas de pequenas infracções passa-se para outras maiores, muitos cidadãos acham que podem defraudar o vizinho, que não é nada em relação aos milhões que os grandes roubam e esta mentalidade vai corroendo o tecido social. O importante é combater fortemente todas as aldrabices, sobretudo as grandes traficâncias que estão a dar cabo das finanças do nosso país. É por estas e outras razões que o país está endividado, muita gente a viver mal e não é com esmolas que se resolve o problema. Todos os cidadãos têm o direito e a obrigação de se empenhar nesta luta. Não é preciso estar inscrito num partido para fazer política. Todos somos políticos, para o bem e para o mal, sobretudo quando votamos, quando elegemos pessoas para governarem o País.

    Conceição Pereira

    Outras Notícias