‘Inovação e Futuro’ é hoje

A segunda edição da ‘Conferência Inovação e Futuro’ decorre ao longo do dia de hoje na sala de conferências do Casino da Madeira com a presença de quatro oradores de gabarito nacional e internacional

23 Out 2018 / 09:00 H.

Arranca hoje a segunda edição da ‘Conferência Inovação e Futuro’, desta feita escrutinada à temática da ‘Revolução Digital’, assunto que é colocado em cima da mesa da sala de conferências do Centro de Congressos da Madeira, entre as 10 e as 17 horas, numa sessão única que reúne quatro grandes nomes da era digital em termos nacionais e internacionais.

Luís Miguel Silva, Pedro Campos, Jesús Cochegrús e Joana Santos Silva vão abordar a temática central relacionando-a com os seus campos de actuação profissionais, num encontro entusiástico repartido entre a manhã e a tarde, com pausas para café e ‘networking’, bem como a devida pausa para almoço.

Caso queira assistir a esta organização sinérgica entre o DIÁRIO, NOS Madeira e Casino da Madeira saiba que o preço do ingresso estará à venda na bilheteira a um preço único de 15 euros.

Joana Santos Silva expõe ideias

Do leque de oradores restava conhecer Joana Santos Silva, coordenadora de vários programas na Universidade Católica de Lisboa em áreas digitais, mas também em gestão, marketing e saúde.

Joana Santos Silva adianta assim que pretende hoje fazer reflectir a plateia sobre as alterações e o impacto que a tecnologia e o mundo digital está a exercer na sociedade e na área da saúde.

“Quem vive em países com acesso regular à saúde viram a esperança de vida quase duplicar nos últimos cem anos. Ainda este ano, a esperança de vida média em Portugal voltou a subir. Uma grande parte desta melhoria nos níveis da saúde deve-se à inovação científica, em particular, o desenvolvimento de terapêuticas que permitem controlar e melhorar a qualidade de vida de doentes crónicos como os diabéticos, hipertensos ou asmáticos”, avançou a professora, assegurando que a tecnologia “tem o potencial de reconfigurar a forma como iremos viver com mais saúde durante mais anos”.

“Assistimos a um debate na comunidade científica se a vida humana está limitada a uma idade máxima ou se por outro os humanos poderão viver muito além da realidade. É muito razoável pensar que muitos de nós poderemos chegar aos 100 anos de idade ou até mais. Temos assistido ao aumento dos ‘super-centenários’: pessoas que ultrapassam a marca do 100 com níveis de actividade e saúde muito acima da média”, acrescentou Joana Santos Silva.

Dando exemplos concretos, Joana Santos Silva fala do novo ‘Apple Watch’, que “tem várias funcionalidades relacionadas com a saúde como por exemplo a possibilidade de registar um eletrocardiograma do utilizador” uma tecnologia que “foi aprovada pela FDA, a reguladora da área de medicamentos e aparelhos de saúde nos Estados Unidos”.

“Outro exemplo, é a empresa ‘Proteus Digital Health’ que conseguiu desenvolver um ‘comprimido inteligente’ que consegue verificar se o doente tomou a sua medicação no horário certo e na dose correcta. Esta tecnologia irá melhorar o controlo dos doentes que muitas vezes se esquecem ou trocam a sua medicação permitindo melhorar o nível de saúde”, esclareceu, falando ainda da utilização de robots de companhia designados ‘MIRO’ que podem auxiliar pessoas em pequenas tarefas e que funcionam como animais domésticos inteligentes e que permitem também melhorar o nível psicológico de pessoas que muitas vezes vivem isoladas e sem acompanhamento regular.

Estes e outros temas que poderá ver esclarecidos hoje, no Centro de Congressos da Madeira, onde cada um dos oradores terá sensivelmente 60 minutos de intervenção, seguido de um debate a pares.

Joana Santos Silva foi distinguida com o prémio ‘Dona Antónia’ como a mulher portuguesa que mais se destacou pelo seu desempenho, o que “foi uma surpresa” e “traz um sentimento de responsabilidade”.

“Ser uma ‘Dona Antónia’ obriga a pensar em que medida é que posso contribuir para a sociedade tendo em conta os ensinamentos que ela deixou. Na actividade de docente tento contribuir dentro das minhas capacidades deixando sempre a comunicação aberta a todos que queiram continuar a partilhar comigo os seus projectos. Gosto de pessoas, de pessoas com ideias e ambições que fazer crescer e mudar para melhorar”, aferiu a licenciada em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Coimbra e que conta com um MBA na área de gestão, na Universidade Católica.

Outras Notícias