Construção do novo lar e Hospital dos Marmeleiros são prioridades da Misericórdia do Funchal

27 Jul 2016 / 11:40 H.

A construção do novo lar, que ficará localizado no centro do Funchal, e a resolução da situação do Hospital dos Marmeleiros são dossiers prioritários da mesa administrativa da Santa Casa da Misericórdia do Funchal.

No caso particular do hospital, o provedor da Santa Casa da Misericórdia do Funchal, Jorge Spínola, adiantou que o Governo Regional enviou um ofício à instituição a informar que "não iniciaria obras sem a nossa concordância e sem o nosso aval". Nesse sentido, a Santa Casa aguarda "por uma negociação para acertar os termos em que se podem realizar essas obras". 

No caso do projecto social, que inclui a construção do novo lar que ficará localizado entre a zona das Capuchinhas e do túnel da Cruz Vermelha, o provedor adianta que "o projecto já está aprovado pela Câmara Municipal do Funchal", estando a Santa Casa "à procura de financiamento para o efeito". Mas neste particular, tal como sempre tem acontecido na história da Santa Casa, a situação exige ponderação. "Podíamos pedir financiamento à banca e avançarmos já, mas não é isso que queremos e procuramos outros tipos de financiamento", adianta.

Jorge Spínola falava à margem da conferência intitulado 'Misericórdia - Misericórdias', que está a decorrer hoje no Museu de Eletricidade Casa da Luz, no âmbito do Ano Jubilar da Misericórdia, proclamado pelo papa Francisco, e da celebração do 508º aniversário da Santa Casa da Misericórdia do Funchal. Uma conferência que conta com a presença do bispo do Funchal, D. António Carrilho, com o presidente do Conselho Directivo da Segurança Social, Rui Freitas, e ainda com os prelectores  António Tavares, provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto, e Graça Alves, escritora madeirense.

Neste particular, adianta Jorge Spínola, esta conferência destina-se "a reflectir sobre o tema misericórdia", mas também sobre "o funcionamento, estrutura orgânica e perspectivas futuras das próprias misericórdias de Portugal e da Madeira em particular".