Municípios consideram que combate ao desemprego é maior desafio das autarquias

Presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses e vários autarcas defenderam esta ideia num debate em Loures

19 Mar 2015 / 19:16 H.

    O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e vários autarcas defenderam hoje, num debate em Loures, que o combate ao desemprego deverá ser o maior desafio nos próximos anos para o poder autárquico.

    O presidente da ANMP, Manuel Machado, os presidentes das câmaras de Loures (Bernardino Soares) e Barreiro (Carlos Humberto) e o vereador da Câmara de Lisboa Fernando Seara participaram hoje à tarde num debate sobre o poder local, durante o qual foram abordados vários desafios para as autarquias.

    A necessidade de as autarquias terem capacidade de implementar programas de incentivo ao emprego foi um dos pontos em comum de todas as intervenções.

    Manuel Machado (PS), que também é presidente da Câmara Municipal de Coimbra, apontou na sua intervenção que "o combate ao desemprego será o maior desafio do poder autárquico", mas ressalvou que terá de existir um maior apoio do poder central.

    "Temos tido Orçamentos do Estado inimigos do crescimento económico. É preciso políticas governamentais que ajudem os municípios, mas não é isso que acontece. Temos assistido a uma redução de receitas provenientes dos Estados", apontou o presidente da ANMP.

    No mesmo sentido, o vereador da Câmara de Lisboa e antigo autarca de Sintra, Fernando Seara, afirmou que a empregabilidade é um dos novos paradigmas do poder local e que deverá ser sempre uma das prioridades dos autarcas.

    Por seu turno, o presidente da Câmara do Barreiro, Carlos Humberto (CDU), referiu que existe uma "ofensiva contra o poder local" e criticou o facto de o Estado ter vindo progressivamente a "reduzir as suas funções sociais" e, no sentido inverso, a "reforçar as privatizações e concessões.

    "Fala-se muito na questão da descentralização, mas não pode ser toma lá e desenrasca-te", sublinhou.

    Durante a sessão, autarcas presentes criticaram também a intenção do Governo de privatizar o setor dos resíduos sólidos urbanos e águas, considerando trata-se de um contrassenso da tutela.

    "Não se pode querer atribuir aos municípios competências que tradicionalmente pertencem ao poder central, como a Saúde e Educação, para depois retirar da esfera dos municípios serviços que tradicionalmente sempre lhe pertenceram, como os resíduos e abastecimento de água", afirmou o vereador social-democrata da Câmara de Loures Fernando Costa.

    Este debate inseriu-se num conjunto de debates temáticos que se irão realizar em Loures, até 27 de junho, subordinado a vários temas como a Educação, Desporto, Cultura, Coesão Social, Transportes, Ambiente e Habitação.
     

    Lusa

    Outras Notícias