Procurador russo pede dez anos de detenção para opositor Alexei Navalny

19 Dez 2014 / 16:13 H.

    O procurador russo requereu hoje dez anos de detenção num campo de trabalho para o opositor número um do Kremlin, Alexei Navalny, acusado de desvio de fundos em detrimento de uma filial da sociedade francesa Yves Rocher. Navalny foi indiciado, juntamente com o seu irmão Oleg - contra quem o procurador pediu oito anos de prisão num campo - por ter alegadamente desviado 27 milhões de rublos (360.000 euros).

    A justiça russa decidiu ainda prolongar a prisão domiciliária de Navalyn até 15 de fevereiro, após solicitação do procurador. A decisão final sobre o caso Yves Rocher será emitida numa data a anunciar. No entanto, a empresa francesa indicou através do diretor financeiro da sua filial russa, Christian Melnik, que não registou "qualquer prejuízo" na sequência da sua colaboração com a Glavpodpiska, a sociedade de transportes dos irmãos Navalny. Esta última forneceu à empresa francesa serviços de transporte e entrega de encomendas entre 2008 e 2012, e acabou por ser alvo de um inquérito oficial por suspeita de irregularidades.

    Alexei Navalny, um advogado que tem denunciado a corrupção nas elites russas, já enfrenta uma condenação a cinco anos de campo, com pena suspensa e emitida em 2013, por um outro caso de desvios de fundos. O advogado oposicionista rejeita todas as acusações, que considera "tentativa de intimidação" dirigidas contra si e o seu irmão.

    Agência Lusa

    Outras Notícias