Bispo do Funchal inaugurou monumento comemorativo dos 500 anos da Diocese

08 Dez 2014 / 16:12 H.

O bispo do Funchal, António Carrilho, inaugurou hoje um monumento alusivo aos 500 anos da fundação da Diocese, e aproveitou a ocasião para sublinhar que a Igreja continua de "coração aberto" conforme o apelo do papa Francisco.

A escultura foi implantada nos jardins do Almirante Reis, na zona velha do Funchal, e é constituída por uma enorme cruz e uma embarcação orientada a sul, lembrando a ação dos missionários além-mar.

António Carrilho destacou que a peça significa, também, "uma Igreja de coração aberto e, como insiste o papa Francisco, [serve] para dar a conhecer e semear a palavra da vida, indo ao encontro de todos, sem esquecer as periferias existenciais e geográficas".

Numa cerimónia em que participaram as autoridades civis e militares da Madeira, o bispo do Funchal disse que "olham a cruz os pobres e os mais abastados, os crentes e não crentes, aprendendo todos o sentido da fraternidade e da solidariedade na vida quotidiana, em qualquer tempo e lugar".

Segundo António Carrilho, "esta cruz constitui efetivamente uma forte interpelação ao amor-caridade, ao serviço fraterno, uma forte interpelação que ajudará a viver também em tempo de crise e dificuldade a força da fé e a coragem da esperança nas lutas de cada dia".

O conjunto escultórico comemorativo dos 500 anos da criação da Diocese do Funchal é da autoria do escultor madeirense Ricardo Velosa. É feito de bronze e pesa cinco toneladas, representando um investimento de 70 mil euros, dos quais 75% foram cobertos por donativos de emigrantes.

A escultura é composta por três elementos: uma base circular com elementos representativos da vegetação madeirense envolvidos pelo mar, uma enorme cruz cravada no solo, assinalando a chegada dos primeiros missionários e o alastrar da fé cristã, e uma barca orientada a sul, fazendo memória dos que partiram em busca de novas terras, levando o Evangelho de Jesus Cristo.

A bênção e inauguração do monumento marcou o encerramento das comemorações dos 500 anos da Diocese do Funchal, criada pelo papa Leão X, com a bula 'Pro Excelenti Praeminentia', a pedido do rei Manuel I, no dia 12 de junho de 1514.

Mais tarde, em 31 de janeiro de 1533, o Papa Clemente VII elevou o bispado do Funchal a arcebispado, dando-lhe um território, o mais vasto atribuído até hoje a uma diocese, que incluía todas as terras 'descobertas e por descobrir' pelos navegadores portugueses.

Lusa

Outras Notícias