Passos diz que compete ao Conselho Geral Independente tomar decisões quanto à RTP

02 Dez 2014 / 14:51 H.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, escusou-se a comentar a questão da RTP para "deixar o mais possível intacta a margem de manobra que o próprio Conselho Geral Independente deve ter para tomar as medidas que entender que são necessárias".

Segunda-feira, o Conselho Geral Independente (CGI) anunciou o 'chumbo' do plano estratégico da RTP e considerou que a administração violou o princípio de lealdade com o órgão por não ter informado sobre os direitos da Liga de Campeões.

Hoje, em Vila do Conde, Pedro Passos Coelho foi questionado sobre se a administração da RTP teria condições para continuar, tendo começado por responder que compete, "nos termos da nova lei, ao Conselho Geral Independente tomar as decisões que entender adequadas".

"E não quero nesta altura fazer nenhum comentário sobre a questão que envolve a RTP justamente para deixar o mais possível intacta a margem de manobra que o próprio Conselho Geral Independente - como o seu nome indica - deve ter para tomar as medidas que entender que são necessárias e portanto não irei pronunciar-me sobre essa matéria", afirmou.

Já na segunda-feira, o gabinete do ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional começou por esclarecer que uma eventual destituição do Conselho de Administração da RTP é competência do Conselho Geral Independente.

Mais tarde, à margem de uma reunião com o Conselho Superior Associativo da Associação Empresarial de Portugal (AEP), em Matosinhos, o ministro Poiares Maduro falou em "estranheza" por, "aparentemente", a decisão do Conselho de Administração da RTP de concorrer aos direitos televisivos da Liga dos Campeões não ter sido comunicada ao Conselho Geral Independente, vincando que as decisões sobre o futuro do Conselho de Administração da RTP são deste órgão independente.