Mortes por cólera no sul de Angola passaram de 111 para 131 nos últimos dias

26 Nov 2013 / 21:02 H.

    As mortes por cólera passaram nos últimos dias de 111 para 131 na província do Cunene, no sul de Angola, onde foram notificados desde o início do ano até sábado 3.223 casos, noticiou hoje a Angop.

    Os dados foram avançados à agência noticiosa pelo chefe de departamento da Saúde Pública e Controlo de Endemias do Cunene, Félix Belarmino Satioyamba, que realçou a gravidade da situação.

    Aquele responsável referiu que a situação é preocupante nos municípios da Cahama, Curoca, Ombandja e Kwanhama, sendo que esta última localidade começou a registar os primeiros casos na última semana.

    Segundo Félix Belarmino Satioyamba, a maioria dos óbitos são extra-hospitalares (83) e os restantes (47) ocorreram em unidades hospitalares.

    As autoridades sanitárias têm tomado várias medidas de prevenção, contudo, a situação ainda é "preocupante", o que revela a necessidade de uma maior participação da população no cumprimento das regras de higiene, disse Félix Belarmino Satioyamba.

    No combate à doença, as autoridades sanitárias têm contado com o apoio de igrejas, coordenadores de bairros e autoridades tradicionais, na sensibilização da população para o respeito das medidas sobre o consumo de água fervida ou tratada com lixívia e na eliminação de focos de lixo.

    A província do Cunene vive há dois anos uma situação de seca, o que tem contribuído para o elevado índice de casos e mortes por cólera, uma epidemia que afecta igualmente outras províncias de Angola desde Dezembro de 2012.

     

    Lusa