Escola Secundária Jaime Moniz desenvolve projecto de combate ao mosquito

26 Nov 2013 / 15:52 H.

Um grupo de alunos da Escola Secundária Jaime Moniz vai dar continuidade ao projecto de combate ao mosquito 'aedes aegypti' e de sensibilização da população para a necessidade de tomar medidas, no sentido de impedir a disseminação deste vector de transmissão do dengue. O projecto será apresentado numa conferência de imprensa a realizar no dia 28 de Novembro, às 15 horas, na sala de conferências da Escola.

A actividade irá decorrer até ao final do ano lectivo, envolvendo cerca de 60 alunos, nomeadamente do curso profissional técnico de gestão do ambiente do 10º ano e do curso de educação e formação de técnico de gestão do ambiente do 12º ano, dando sequência ao trabalho iniciado pelos alunos do curso tecnológico de ordenamento do território e ambiente. O projecto será coordenado pelos professores António Freitas, Odílio Freitas, Teresa Santos e Zita Carvalho e conta com o apoio do Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais IP-RAM e de outras entidades oficiais e com o patrocínio da Farmácia do Caniço e do reconhecido repelente de insectos 'Previpiq', que contém 20% de DEET.

“Neste momento não tenho dúvidas de que as entidades oficiais têm feito tudo o que é cientificamente possível, mas se cada cidadão não fizer a sua parte, temos uma guerra perdida. Esperamos ter um grande impacto e motivar cada um a fazer a sua parte no que diz respeito ao combate ao mosquito”, esclarece o professor António Freitas, um dos coordenadores do projecto.

“O problema do mosquito é de todos nós, a solução também! Se cada um fizer a sua parte, juntos venceremos este combate. Como o nome desta campanha refere, temos que ser Todos contra o mosquito!”, conclui o mesmo responsável. O projecto terá como objectivos: - A inventariação dos focos/criadouros do mosquito; - A monitorização da actividade do mosquito com recurso a armadilhas e estabelecimento de indicadores; - O combate aos criadouros na área escolar; - A sensibilização da população que vive junto à Escola; - O desenvolvimento de ações de informação junto dos alunos, funcionários e professores; - O envolvimento de entidades regionais e da comunidade local; - A elaboração de parcerias com entidades públicas e empresas privadas; A articulação com outras entidades e programas.

Os alunos do 10º ano serão responsáveis pelo combate ao mosquito dentro da Escola, através da identificação e eliminação de potenciais criadouros, os que não forem possíveis eliminar, serão sujeitos a um tratamento semanal com sal ou lixívia.

Estes alunos irão proceder à colocação e monitorização de armadilhas com fermento de padeiro, em garrafas de plástico de 1,5 litros, dentro do edifício para captura de mosquitos adultos e de armadilhas para a captura de ovos no exterior do edifício.

Os alunos do 12º ano irão fazer o levantamento topográfico e monitorização semanal de possíveis criadouros situados nas ruas que rodeiam a escola. Os dados recolhidos serão enviados ao Serviço Regional de Saúde e outras entidades.

O dengue é, essencialmente, uma doença urbana porque o seu principal vetor, “Aedes aegypti”, encontra-se no ambiente peridomiciliar, logo as medidas de saneamento ambiental representam o meio mais eficaz no controle dos mosquitos.

O mosquito do dengue põe os seus ovos nas paredes de recipientes com água, pelo que a melhor maneira de o reduzir será eliminar todos os possíveis criadouros (locais onde frequentemente ocorre a criação de “Aedes aegypti”) por forma a diminuir substancialmente os habitats reprodutivos do mosquito.

Outras Notícias