Retábulo da Sé do Funchal é único no mundo

02 Out 2013 / 18:00 H.

    Esta tarde a sala de exposições temporárias do Museu de Arte Sacra encheu-se para ouvir uma sessão sobre a evolução do trabalho de restauro e conservação do retábulo da capela-mor da Sé do Funchal.

    A Direcção Regional dos Assuntos Culturais (DRAC) tem vindo a desenvolver esta intervenção em parceria com a World Monuments Fund (WMF-P), com o Laboratório José Figueiredo e com o Laboratório Hércules da Universidade de Évora. 

    Os trabalhos tiveram início no mês de Abril, prevendo-se a sua conclusão em Maio do ano que vem. A equipa que está a desenvolver a investigação apresentou o trabalho que já foi desenvolvido até então, onde intervencionaram doze pinturas e estruturas de suporte do retábulo da capela-mor da Sé do Funchal que apresentavam sujidade, mau estado de conservação, repintes que tapavam as obras originais e intervenções que tinham sido feitas ao longo dos anos. Contaram com uma equipa de seis elementos constituída por Fernando António Batista Pereira, Joaquim Caetano, José Alberto Seabra, Vítor Serrão, Isabel Santa Clara e Rita Rodrigues.

    Vítor Serrão, um dos oradores, destacou este retábulo como o melhor conjunto de pinturas da época de D.Manuel I que chegou integro até ao nosso século, ao que Fernando António Batista concordou dizendo que apesar de existirem outros em bom estado, este é único, devido a ainda ter a sua estrutura envolvente. Vítor Serrão disse ainda que o objectivo deste projecto é recuperar património e devolvê-lo à comunidade.
    Visivelmente entusiasmado, Fernando António Batista falou para uma sala cheia, enaltecendo o trabalho da equipa de restauro que muito impressionou os historiadores pela sua dinâmica e eficácia no trabalho. Também ele deixou claro que o seu compromisso para este projecto é o de “tentar devolver uma imagem próxima ao que os espectadores do século XVII poderiam experienciar”.

    Refira-se que a A WMF é uma organização privada e sem fins lucrativos que patrocina a preservação da Herança cultural de todo o mundo, tendo sido criada em 1965, e sedeada em Nova Iorque. Em Portugal existe desde 1994 (WMF-P) e tem como objectivo a conservação e restauro de património que se pode vir a perder pela ideia de que monumentos de tantos séculos não precisam de restauro. A primeira iniciativa da World Monuments Fund - Portugal foi o Projecto Torre de Belém que foi um êxito. Ora na Madeira esta intervenção foi apresentada hoje numa sessão organizada pela Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes (SRT), Direcção Regional dos Assuntos Culturais(DRAC), através da Direcção de Serviços de Museus e Património Cultural (DSMPC).

    Outras Notícias