Força Aérea activa unidade militar no Areeiro mas o radar não funciona

09 Mai 2013 / 12:21 H.

O chefe de Estado-Maior da Força Aérea Portuguesa está na Região para presidir à cerimónia de activação da Estação de Radar N.º 4 (ER4) , no Pico do Areeiro, mas o radar que vai assegurar a vigilância do espaço áereo do arquipélago da Madeira não está a funcionar devido a problemas técnicos.

“Lamentamos, mas são coisas que acontecem com equipamentos novos que estão a ser montados num local novo e vamos resolver o problema esperemos que tão breve quanto possível, mas, com toda a franqueza, eu não arrisco dar uma data”, referiu aos jornalistas o general e piloto-aviador José Pinheiro, esta manhã, após a audiência com o presidente do Governo Regional, na Quinta Vigia.

Por isso, a cerimónia prevista para o início da tarde de hoje será mais simbólica e terá mais relevância para a orgância militar do que para a Defesa Nacional. O Chefe de Estado-Maior da Força Aérea vem presidir à activação da ER4 como unidade militar composta por 16 militares da Força Aérea (FA) e integrada numa cadeia de comando.  Já o radar continuará desligado do sistema.

Situado a 1.813 metros de altitude, o radar da ER4 começou a transmitir o primeiro sinal de radar para o Centro de Relato e Controlo de Monsanto a 9 de Maio de 2012, tendo sido detectados atrasos na transmissão do sinal.

Entretanto, a ER4 foi activada a 18 de Fevereiro de 2013, tendo sido nomeado comandante desta nova Unidade da Força Aérea o tenente-coronel Sérgio Manuel Silvestre da Cruz.

A ER4 é parte integrante do projecto de extensão do Sistema de Comando e Controlo Aéreo de Portugal (SICCAP) ao arquipélago da Madeira.

Depois de estarem ultrapassadas as anomalias técnicas, deverá opera 24 horas por dia e durante todo o ano, permitindo "ampliar o alcance da defesa área nacional bem como a vigilância e o controlo do seu Espaço Estratégico de Interesse Nacional".

Lei mais amanhã, na edição impressa.

Outras Notícias