Mochila com GPS "é uma mais-valia" para os pais

04 Set 2012 / 15:07 H.

Filomena Teixeira, mãe de Rui Pedro, a criança que desapareceu há 14 anos, considerou hoje "uma mais-valia" a criação da mochila escolar com localizador de GPS, que, por cerca de 300 euros, permite aos pais controlar os filhos.

"É um investimento e uma mais-valia para os pais. É o podermos saber a qualquer altura onde estão os nossos filhos", afirmou Filomena Teixeira aos jornalistas, no encontro de apresentação deste novo produto, que decorreu na Junta de Freguesia de Matosinhos.

Para Filomena, se este tipo de mochila escolar existisse há 14 anos "provavelmente saberia o percurso" que o seu filho fez no dia 04 de março de 1998.

O produto, criado e comercializado por duas empresas e promovido pela Junta de Freguesia, tem "talvez um único senão", que é o seu preço "um bocadinho exagerado", acrescentou Filomena Teixeira.

O presidente da Junta de Freguesia de Matosinhos, António Parada, afirmou que esta "ideia foi potenciada" pelos meios de comunicação social, que "constantemente" fazem chegar a casa da população novos casos de raptos e desaparecimentos de crianças.

Através deste produto, os pais das crianças criam uma "cerca virtual de segurança", considerada a zona onde a criança poderá circular sem perigo, sendo que assim que esta delimitação for ultrapassada, de imediato os encarregados de educação são avisados por SMS.

"O pai recebe um SMS a informar que [o filho] não está no percurso habitual e que algo de errado se está a passar. Através de uma palavra-passe e um sistema informático, irá detetar 'online' onde a criança de encontra", explicou o autarca, que hoje de manhã ofereceu duas mochilas a crianças a cargo da obra do Padre Grilo.

Para Parada, esta mochila é também "dissuasora", porque "os predadores" ficarão sempre na dúvida se a criança tem ou não um localizador de GPS.

Com este sistema, os pais podem mudar a "cerca virtual de segurança" sempre que o entenderem e conseguem seguir o percurso da mesma "em qualquer parte do mundo", sublinhou António Parada.

A junta de Matosinhos pretende disponibilizar em breve um número de telefone associado a este novo produto.

A ideia é localizar e depois encaminhar para um lugar seguro as crianças que ultrapassem a cerca e cujos pais não possam deslocar-se ao local, concluiu o autarca.

 

Lusa