Sporting SAD admite falta de apoio da banca no empréstimo obrigacionista

17 Nov 2018 / 03:10 H.

A Sporting SAD admitiu hoje a “falta de apoio” dos bancos na comercialização do empréstimo obrigacionista e reconheceu que o clube está a ser obrigado a reforçar a comunicação da operação, que decorre até 22 de novembro.

“O Sporting não está a ter o apoio a nível de comunicação, nem de comercialização dos bancos colocadores, nomeadamente, dos três maiores bancos, que, tipicamente, comunicam e participam a operação e desta vez estão completamente passivos”, disse Francisco Salgado Zenha à agência Lusa.

O administrador da SAD e vice-presidente do Sporting para a área financeira admitiu que essa falta de apoio se possa dever “a decisões políticas de, se calhar, não se querer relacionar com o futebol do Sporting”.

“Não sei qual o motivo, sei que, objetivamente, vejo outros empréstimos obrigacionistas que estão a decorrer ao mesmo tempo e que estão a ser publicitados e as pessoas não tem conhecimento deste”, observou.

A posição de banca em relação à operação de 30 milhões de euros, lançada na segunda-feira e que servirá para fazer face ao reembolso de um empréstimo obrigacionista que venceu em maio e cujo reembolso foi adiado para 26 de novembro, está a obrigar o clube a investir no reforço da comunicação.

“Todos os esforços de comunicação estão a ser praticamente desenvolvidos pelo Sporting, o que limita a operação”, lamentou Francisco Salgado Zenha, sem admitir que o desinteresse possa estar ligado ao ataque à academia do clube, em Alcochete, que levou à detenção do ex-presidente Bruno de Carvalho, posteriormente libertado com a obrigatoriedade de apresentações diárias à polícia.

O administrador da SAD considerou que “as pessoas sabem, ou deveriam saber, que o Sporting não tem qualquer ónus do que se passar ali [no processo do ataque à academia]. As pessoas devem perceber que o importante é olhar para o futuro e não para o passado”.

O Sporting pode, até ao final do dia de hoje e mediante a procura, decidir aumentar o valor do empréstimo, até um montante, que, segundo Francisco Salgado Zenha, não deverá ser superior a 40 milhões de euros.

“Se houver uma procura muito forte, aumentamos, mas nunca vamos aumentar muito, porque não é o nosso objectivo, entre os 30 e os 40 no máximo. Queremos trazer estabilidade financeira ao clube e fazer regressar a credibilidade para ter uma postura mais intensa no mercado”, explicou.

Segundo o administrador da SAD, caso se verifique um reforço do empréstimo “será possível fazer algum investimento na estrutura do futebol e na marca Sporting, uma área na qual o clube está muito atrasado”.

Outras Notícias