Fontes acusa Marote de estar há mais tempo na AFM do que Jardim ou Fidel Castro estiveram no poder

16 Nov 2018 / 14:44 H.

O presidente da Associação de Futebol da Madeira (AFM) ainda deve ter as orelhas a arder tais foram as acusações que o advogado da Associação Desportiva e Cultural de São Vicente (ADCSV) e os dirigentes da colectividade nortenha teceram a seu respeito ao ponto de António Fontes lembrar os anos a fio que o dirigente madeirense acumula no exercício do cargo, uma afirmação que foi de seguida sublinhada pelo facto de Marote contabilizar mais mandatos que “Alberto João Jardim ou Fidel Castro” estiveram enquanto presidentes dos seus governos. Mas a declaração-‘bomba’ foi quando Fontes disse existir “matéria para apresentar uma queixa-crime contra a AFM) e todos os seus membros”.

O advogado falava esta manhã, numa conferência de imprensa, apelidando de “escandalosa” a não permanência na divisão do Campeonato de Honra Regional do clube que representa. ´ causídico aproveitou ainda o momento para apelar ao governo regional para que promova um pacote legislativo no sentido de “limitar os mandatos dos dirigentes nas associações ou clubes” justamente por verificar que alguns, nomeadamente Rui Marote está nesse lote restrito de dirigentes.

Antes, Fontes lembrou que, caso a ADCSV queira avançar judicialmente através de um recurso contra a AFM terá de encontrar cerca de “12 mil euros” para poder custear as despesas neste processo e esperar não menos de 5 ou mais anos para obter uma sentença, uma quantia e um tempo que os dirigentes não estão dispostos a libertar ou aguardar, mesmo que não disfarçassem ter essa vontade.

Quase certo ser participação da ADCSV no campeonato sénior de futebol masculino que arranca este fim-de-semana.

Leia mais na edição impressa de amanhã.