Impregnados no medo

Assim vive o trabalhador hoje na empresa, que desse modo e fruto do medo se vai remetendo ao silêncio !!!

Silêncio que lentamente vai destruindo uma das coisas mais valiosas que existe e que por sinal foi conquistada a “ ferros” .

A liberdade de expressão .

É esse medo, esse silêncio, que permite o avançar das injustiças e das desigualdades, sejam elas no mundo laboral ou sociológicas.

O nosso silêncio, inquietante, inaceitável e por vezes cobarde ,será bem mais nefasto do que o uso livre e espontâneo do nosso pensamento.

Já dizia Heidegger (1889-1976):

“ O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silencio dos bons”.

De cada vez que com medo, deixamos de nos expressar, deixamos de agir perante as injustiças que vivenciamos e/ou presenciamos ,deixamos de lutar na defesa, presente e futura, dos nossos direitos, estamos a dar força e espaço para os tiranos do hoje e do amanhã, que decerto serão a imagem dos tiranos do ontem !!!!!!!!!!!!!!!!

Calados nunca nos faremos verdadeiramente ouvir, calados não teremos voz, calados seremos uns meros escravos da nossa própria consciência e seremos consumidos de forma autofágica pela mesma.

É que “gritos mudos chamando a atenção” só mesmo na música dos Xutos e Pontapés!!!

Celso N. Sá