Turismo

Hotelaria em alta no mês de Abril

Os proveitos totais na hotelaria aumentaram 20,2% em abril para 168,7 milhões de euros e a taxa líquida de ocupação cama cresceu 7,3 pontos percentuais para 43,7%, "a mais elevada" desde abril de 2007, divulgou hoje o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), há sete anos a taxa de ocupação tinha atingido os 44,1%.

No acumulado de janeiro a abril, a taxa de ocupação cama foi 31,9%, o que corresponde a um aumento de 2,5 pontos percentuais (p.p.).

Em abril, a evolução da taxa líquida de ocupação cama foi positiva em todas as regiões, com destaque para o Alentejo (+8,7 p.p.), Lisboa (+8,6 p.p.) e Algarve (+8,4 p.p.). A Madeira registou níveis de ocupação de 63,4%, Lisboa de 57,8% e Algarve de 41,5%.

A taxa de ocupação cama aumentou em todas as tipologias, sobressaindo as pousadas (+13,9 p.p.) e os aldeamentos turísticos (+10,5 p.p.), tendo os hotéis de cinco e quatro estrelas registado os valores mais elevados para este indicador (52,6% e 52,4%, respetivamente).

O INE aponta "aumentos acentuados do total de dormidas" em todas as regiões do Continente, "mais expressivos" no Alentejo (mais 44,9%, já que o processo de manutenção da refinaria de Sines justificou várias estadias), Algarve e Norte.

Já a Madeira registou um acréscimo de 5,8%, "praticamente em linha" com o do mês anterior (+6,3%), enquanto os Açores inverteram a tendência de evolução (+9,5% em abril e -2,7% em março).

Como é habitual no mês da Páscoa, o Algarve foi a região mais procurada pelos residentes (26,9% das dormidas), seguindo-se Lisboa (20,9%) e o Norte (19,1%), sendo que relativamente aos não residentes o Algarve concentrou 36,9% das dormidas, seguido de Lisboa (28,9%) e da Madeira (17,1%).

Em abril, a estada média aumentou 3,2%, para 2,79 noites, (-3,4% em março), tendo subido em todas as regiões, nomeadamente no Alentejo (+8,3%), Norte (+6,1%) e Lisboa (+5,5%).

Numa análise por tipologias e categorias, a estada média aumentou principalmente nos hotéis-apartamentos de cinco estrelas (+18,9%) e nos aldeamentos turísticos (+13,8%).

O mês de abril correspondeu ainda a um aumento de 20,2% nos proveitos totais dos estabelecimentos hoteleiros para 168,7 milhões de euros e de 20,4% nos proveitos de aposento para 115,2 milhões de euros.

Segundo nota o INE, apenas na Madeira se registaram acréscimos de proveitos superiores às dormidas, acontecendo o inverso nas demais regiões, em especial no Alentejo (+31,9% nos proveitos de aposento e +44,9% nas dormidas) e Algarve (+22,2% nos proveitos de aposento face a +34,0% nas dormidas).

No quarto mês de 2014, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi de 29,2 Euro (+6,1%), enquanto no acumulado de janeiro a abril atingiu 20,9 Euro (+8,3%).

A evolução deste indicador nas regiões é descrita como "globalmente positiva", destacando-se Lisboa com a maior rentabilidade média por quarto disponível (50 Euro, +15,8%), seguida pela Madeira (39,4 Euro, +9,5%).

De evidenciar também os acréscimos no RevPAR das pousadas (+38,2%) e aldeamentos turísticos (+30,0%), em paralelo com o observado nas respetivas taxas de ocupação.