Trump elogia Guterres afirmando que tem feito um trabalho “espectacular” na ONU

20 Out 2017 / 20:21 H.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou hoje o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmando que este tem feito um trabalho “realmente espectacular” na organização que lidera desde janeiro.

“Você tem feito um trabalho muito, muito espetacular nas Nações Unidas”, afirmou Trump, acrescentando que Guterres se tornou seu “amigo” ainda antes de assumir o cargo de presidente dos Estados Unidos.

As declarações do Presidente americano surgiram numa conferência de imprensa, na sala oval, no âmbito da visita de António Guterres à Casa Branca.

“É preciso sorte e talento, e ele tem talento”, afirmou Trump referindo-se ainda ao secretário-geral da ONU, acrescentando que tem “a sensação de que as coisas vão acontecer nas Nações Unidas, como nunca se viu”.

O Presidente americano afirmou que as Nações Unidas têm “um potencial tremendo” mas que “não tem sido usado nos últimos anos como deveria ser”.

António Guterres, por sua vez, disse que o mundo está “caótico” e que é precisa uma ONU “forte, reformada e modernizada”.

O secretário-geral da ONU acrescentou que também é preciso um compromisso “firme” dos Estados Unidos com a organização, baseado nos seus valores tradicionais de “liberdade, democracia e direitos humanos”.

Durante as reuniões dos líderes internacionais na Assembleia Geral da ONU, em setembro, Trump e Guterres lideraram uma reunião focada na reforma das Nações Unidas, algo que é uma prioridade para a Casa Branca.

O líder norte-americano elogiou as medidas tomadas pelo secretário-geral para melhorar o funcionamento da ONU.

Trump foi, no passado, muito crítico relativamente à ONU tendo afirmado há um ano, na rede social Twitter, que a organização era “apenas um clube onde as pessoas se reúnem, conversam e passam um bom bocado”.

O governo de Trump anunciou, na semana passada, a retirada do pais da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), apontando como motivos a necessidade de uma reforma e uma suposta “tendência anti-israelita”.

O secretário-geral da ONU lamentou “profundamente” a decisão e recordou o “grande papel” que os Estados Unidos tiveram na UNESCO desde a sua fundação.

Para além da reforma das Nações Unidas, a Coreia do Norte, o Irão e também o médio oriente terão estado entre os temas discutidos pelos dois líderes.

Outras Notícias