Rede mundial distingue “escola changemaker” em Rabo de Peixe

É a única escola das regiões autónomas a constar do ranking, que inclui outras quatro escolas nacionais

16 Fev 2018 / 18:22 H.

O representante em Portugal da Ashoka, a maior rede mundial de empreendedores sociais, destacou hoje a Escola Básica Integrada (EBI) de Rabo de Peixe, na Ribeira Grande, como “um exemplo de inspiração”, distinguida pela organização.

“Existem cinco escolas no país que foram eleitas como ‘escolas changemaker’. De um conjunto de escolas por todo o mundo, mostraram que são capazes de promover a diferença e esta escola é a única das regiões autónomas, não só dos Açores, mas também da Madeira”, disse Rui Marques, numa visita à EBI de Rabo de Peixe.

O coordenador da Ashoka Portugal explicou que “um conjunto de peritos” analisou as boas práticas dos estabelecimentos, verificando se as escolas “foram capazes de responder aos desafios” colocados pelo contexto socioeconómico em que estão inseridas.

“Se foram capazes de desenvolver soluções inovadoras e empreendedoras para uma melhor educação, uma educação mais inovadora, mais inclusiva, com maior sucesso, nomeadamente nas dimensões da inclusão do prosseguimento dos estudos, do combate ao abandono e ao insucesso. Esses peritos analisarem cerca de cem escolas e seleccionaram cinco”, descreveu.

Rui Marques esteve em Rabo de Peixe, na ilha de São Miguel (Açores), para reconhecer e também incentivar “o trabalho feito pela comunidade educativa”, considerando “perversa” a lógica dos rankings que esta semana consideram a escola uma das dez piores escolas a nível nacional.

“Os rankings mostram só uma pequena questão que tem a ver com resultados académicos e não podemos comparar o que não é comparável. Evidentemente, nas circunstâncias mais difíceis, nos contextos mais difíceis, é possível desenvolver trabalho de grande qualidade que evidentemente não tem os mesmos resultados académicos do que uma escola de elite, de classe média alta, onde os seus estudantes têm todas as condições socioeconómicas, desde o primeiro momento, para singrarem no seu percurso escolar”, lembrou.

Para o presidente do conselho executivo da Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe, a atribuição deste estatuto pela Ashoka “é uma medalha” para todos os que se envolveram num projecto educativo que trabalhou acima de tudo “mentalidades” e de “valorização da escola”.

“O maior projecto que temos desenvolvido é aquele que não se vê, quando se trabalham as pessoas, não só os alunos como a restante comunidade, e esse trabalho é feito diariamente, é um trabalho que nos desgasta dia a dia, mas que é só visível passado uns tempos”, disse Rodrigo Reis.

O professor assegurou que alguns dos problemas que existiam há dez anos em Rabo de Peixe (uma das freguesias mais pobres do país) são hoje menores ou quase que se “extinguiram” nos dias de hoje.

“Em termos de insucesso escolar há uma evolução, em termos de absentismo escolar praticamente é nulo. Nestes últimos dez anos a escolaridade obrigatória aumentou para os 18 anos e conseguir combater um absentismo escolar mesmo nesta faixa etária é muito difícil. Primeiro falava-se num absentismo escolar precoce e hoje fala-se nos 15 ou 16 anos, o que é um absentismo escolar completamente diferente de há dez anos”, lembrou.

Por sua vez, o director regional da Educação destacou “o reconhecimento nacional do trabalho desenvolvido” por esta escola açoriana.

“As escolas não se podem acomodar aos resultados que têm e para terem resultados diferentes têm de também fazer coisas diferentes. Esta escola de Rabo de Peixe tem sido exemplo nisso, tem procurado quer projectos a nível regional, quer a nível nacional que efectivamente ajudem a colmatar os projectos que têm”, disse José Freire.

Outras Notícias