Passos tenciona voltar a ser PM em 2019 e espera receber herança melhor

Mafra /
15 Set 2017 / 23:15 H.

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje que tenciona voltar a ser primeiro-ministro em 2019 e que espera, nessa altura, receber “uma herança melhor” do que a deixou em 2015.

“Nós no PSD deixámos aos portugueses uma herança bem melhor do que a que recebemos em 2011 e eu, que tenciono ser primeiro-ministro em 2019, também gostava de receber uma herança melhor do que a que deixei em 2015”, afirmou, num jantar autárquico de apoio ao candidato do partido em Mafra, o atual presidente da Câmara, Hélder Sousa Silva.

Numa referência implícita ao atual executivo, Passos Coelho disse que os sociais-democratas sabem “observar o comportamento mais oportunista” dos que estão a aproveitar o trabalho que PSD e CDS-PP fizeram no Governo.

“Mas, como não somos invejosos não levamos nada a mal que o país beneficie desse trabalho”, ironizou o líder do PSD, que falava antes de ser conhecida a decisão da agência de notação financeira Standard and Poor’s (S&P) de retirar Portugal do ‘lixo’, revendo em alta o ‘rating’ atribuído à dívida soberana portuguesa de ‘BB+’ para ‘BBB-’, um primeiro nível de investimento.

O líder do PSD acusou o atual Governo de ter “deixado cair a máscara”, apontando o dedo a vários ministros, incluindo os das Finanças e da Justiça, por agora invocarem restrições económico-financeiras para não satisfazer pretensões de classes profissionais como os enfermeiros ou os juízes.

“Parece que à medida que nos vamos aproximando da segunda parte da legislatura de repente os membros do governo começaram a descobrir que há limitações económico-financeiras? As restrições existiram sempre, o governo é que as andou a esconder durante dois anos”, criticou, num jantar que, segundo a organização, juntou mais de 2.000 apoiantes.

Passos Coelho sublinhou que, descontando a despesa com salários, o atual executivo gasta menos do que o anterior nas funções do Estado.

“Se descontarmos o aumento dos salários na função pública, o Estado tem hoje menos para gastar do que tinha quando eu era primeiro-ministro e, no dizer dos nossos adversários, éramos assim uma espécie de encarnação do mal”, lamentou.

Sobre a disputa eleitoral do próximo dia 01 de outubro, Passos Coelho destacou a tradição autárquica do PSD desde 1976.

“Orgulhamo-nos desde 76 de ter uma representação maior no panorama nacional, é por isso que desde 76 o PSD não corre o risco da marginalidade política no país”, disse, recorrendo também à expressão “orgulho” para classificar o primeiro mandato de Hélder Sousa Silva em Mafra.

Outras Notícias