Governo pretende criar Centro de Competências da Floresta

06 Set 2018 / 11:47 H.

O Governo pretende criar um centro de competências formativo para as temáticas associadas à floresta, por forma a gerar uma rede de conhecimento, investigação e divulgação de boas práticas.

O Centro de Competências da Floresta será criado “aproveitando estruturas físicas, de recursos humanos e tecnológicas já existentes”, refere a resolução do Conselho de Ministros publicada hoje em Diário da República.

Esta é uma das 65 medidas adicionais do Programa de Valorização do Interior, aprovado no Conselho de Ministros que decorreu na Pampilhosa da Serra, em julho.

Segundo a resolução, a criação do centro de competências “permitirá capacitar e credenciar recursos humanos das empresas que desenvolvem a sua atividade no setor florestal, dos agentes da proteção civil e, em particular, daqueles ligados à proteção florestal e ao combate aos incêndios florestais”.

Este centro de competências será um dos polos daquilo que o Conselho de Ministros denomina de “um ‘cluster’ florestal da Região Centro”, que estará vocacionado “para a promoção e valorização das florestas de pinheiro-bravo e autóctones”.

Esta nova estrutura juntar-se-á a outros polos, como o Centro de Biomassa para a Energia, o Centro de Inovação e Competências da Floresta, o Centro de Ciência Viva da Floresta de Proença-a-Nova e o BLC3 - Campus de Tecnologia e Inovação.

“O reforço da ligação entre as entidades envolvidas dinamizará atividades que promovam o conhecimento nas áreas da produção florestal, designadamente da produção de plantas, instalação e condução de povoamentos florestais, das operações florestais” e “relacionadas com o corte, rechega e transporte de material lenhoso”, refere a resolução.

O centro vai também trabalhar na formação técnica associada ao planeamento de espaços rurais, conservação e preservação de recursos naturais, prevenção contra fatores bióticos e abióticos, combate a incêndios ou promoção do território e dos produtos endógenos.

Na resolução agora publicada em Diário da República, está também previsto o alargamento do projeto do sistema de cadastro simplificado, através da criação de uma rede de centros de competência regional ou municipal para tratar e partilhar informação cadastral, por forma a garantir uma “decisão mais informada e capaz sobre o ordenamento e proteção do território”.

O documento aprovado em Conselho de Ministros estabelece outras dezenas de medidas focadas na valorização do interior, nas mais diversas áreas, seja na floresta, política fiscal, cultura, educação ou economia.

Outras Notícias