Conclusões preliminares de autópsia indicam que morte de Pedro Queiroz Pereira se deveu a ataque cardíaco

20 Ago 2018 / 18:48 H.

As conclusões preliminares da autópsia ao corpo do empresário Pedro Queiroz Pereira, que morreu no sábado em Ibiza, indicaram que este faleceu de ataque cardíaco, disse à Lusa fonte oficial da Navigator.

A mesma fonte indicou que ainda não sabia se a queda foi consequência do ataque cardíaco ou se o ataque cardíaco aconteceu após a queda no iate em que passava férias na ilha de Ibiza, em Espanha.

Já segundo a agência de notícias espanhola EFE, que falou com fontes policiais, a autópsia revelou que o empresário sofreu um enfarte, após o qual desmaiou e caiu pelas escadas interiores do iate.

A morte do empresário Pedro Queiroz Pereira, no sábado à noite, no seu iate na ilha espanhola de Ibiza, está a ser investigada pela Polícia Nacional de Espanha, tal como disse no domingo à agência Lusa fonte desta corporação, que remeteu esclarecimentos para hoje.

A Lusa contactou as autoridades espanholas para obter informações oficiais sobre os resultados da autópsia, mas para já sem sucesso.

Pedro Queiroz Pereira, um dos mais importantes empresários de Portugal, era dono da empresa de papel Navigator (antiga Portucel) e da cimenteira Secil. Morreu no sábado à noite, aos 69 anos, em Ibiza, onde passava regularmente férias.

Segundo a revista Exame, Pedro Queiroz Pereira era detentor de uma fortuna avaliada em 779 milhões de euros (em conjunto com a mãe), o que fazia dele o sétimo homem mais rico do país.

Acionista maioritário do grupo Semapa, Queiroz Pereira era proprietário da Navigator, mas também da cimenteira Secil e de negócios na área do ambiente e da energia.

Quanto ao transporte do corpo para Portugal, fonte oficial do grupo industrial disse à Lusa que o corpo do empresário será transladado para Portugal nas próximas 24 horas.

A EFE indica que a família está em Ibiza para a transladação do corpo, que deverá acontecer previsivelmente amanhã de manhã num avião privado.

Pedro Queiroz Pereira, um dos mais importantes empresários de Portugal, era dono da empresa de papel Navigator (antiga Portucel) e da cimenteira Secil. Morreu no sábado à noite, aos 69 anos, em Ibiza, onde passava regularmente férias.

Segundo a revista Exame, Pedro Queiroz Pereira era detentor de uma fortuna avaliada em 779 milhões de euros (em conjunto com a mãe), o que fazia dele o sétimo homem mais rico do país.