Cem clientes ainda sem ligações telefónicas um ano após os incêndios

País /
12 Set 2018 / 10:01 H.

Cem clientes ainda aguardam a reposição das comunicações destruídas nos incêndios do ano passado, em Pedrógão Grande e na zona centro, entre as mais de 500 mil famílias com ligações afectadas, anunciou hoje o Governo.

“O regulador informa-nos de mais de 500 mil famílias afectadas e indica-nos que a generalidade dos processos estão concluídos”, disse o ministro do Planeamento e Infra-estruturas, Pedro Marques, que está a ser ouvido na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

De acordo com o governante, dados da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) de 7 de Setembro deste ano, mostram que, nesta data, ainda existiam “100 clientes, famílias, sem a reposição das comunicações”, isto mais de um ano depois dos fogos em Pedrógão Grande e quase um ano após os incêndios na região Centro.

Destas 100 pessoas, “20 têm reposições agendadas, 40 pessoas recusaram as propostas das operadoras e as outras 40 não se conseguiram contactar”, precisou Pedro Marques, que falava numa intervenção inicial sobre a reposição das ligações telefónicas destruídas pelos incêndios no seguimento de um requerimento do PCP.

O grande incêndio de Junho de 2017 afectou a zona de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, enquanto os grandes fogos de Outubro assolaram vários concelhos da região Centro.

No Relatório de Regulação, Supervisão e Outras Actividades relativo ao ano passado, conhecido na semana passada, o regulador das telecomunicações aponta que, “ao longo do ano [de 2017], ocorreu em Portugal um número significativo de incêndios florestais de grandes dimensões, nomeadamente nos meses de junho e outubro”.

Neste ano, registaram-se, por isso, “mais de três mil quilómetros de cabos de comunicações ardidos - cobre e fibra óptica -”, bem como “50 mil postes de comunicações ardidos”.

Acrescem “mais de 200 locais de instalação de estações de radiocomunicações afectados”, segundo a informação preliminar sobre o impacto dos incêndios florestais nas infra-estruturas de comunicações electrónicas, inserido naquele relatório.

Ainda assim, a Anacom ressalva no documento que continua a avaliar a “segurança e integridade das redes e serviços de comunicações electrónicas”.

Outras Notícias