Aprovada linha de crédito de 5 milhões para armazenamento de madeira ardida

Lisboa /
26 Out 2017 / 15:04 H.

O Governo aprovou hoje uma linha de crédito de cinco milhões de euros destinada aos operadores das fileiras silvo industriais que se disponibilizem a armazenar madeira queimada de resinosas nos incêndios de meados deste mês.

Falando após a reunião de Conselho de Ministros (CM) em que o decreto-lei foi aprovado, o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, explicou que esta linha de crédito se destina “aos operadores económicos que se disponham a criar parques de madeira ardida”.

Contudo, terão de a adquirir “a um preço previamente estabelecido” pelo Governo, acrescentou, sem especificar.

Em causa estão proprietários de “zonas de intervenção florestal, de baldios, ou municípios”, entre outros operadores económicos, de acordo com Capoulas Santos.

O governante notou que “esta linha de crédito vem na sequência de uma outra” semelhante, aprovada pelo Governo sem necessitar de aval do CM, no valor de três milhões de euros.

Segundo o Governo, o objectivo de tais medidas é incentivar a rápida retirada da madeira queimada dos povoamentos afectados pelos fogos, de forma a quem estes espaços possam ser recuperados, evitando ainda o aproveitamento económico destas matérias-primas.

O executivo adoptou também medidas para a alimentação animal.

Assim, para “todos os agricultores do continente” - os que foram e não foram afectados pelos fogos -, o Governo aprovou uma outra linha de crédito de três milhões de euros para a alimentação animal, anunciou Capoulas Santos, frisando que se pretende também evitar a “penúria de alimentos em virtude da situação de seca”.

O responsável pela tutela notou ainda que, “esta semana, o Ministério [da Agricultura] fará a distribuição de 600 toneladas de rações”.

Outras Notícias