37 farmácias ainda sem comunicações

18 Out 2017 / 18:13 H.

As falhas nas redes de comunicações e energia eléctrica são o maior constrangimento à prestação de serviços farmacêuticos às populações nas zonas afectadas pelos incêndios, havendo ainda 37 farmácias sem comunicações, revelou hoje a Associação Nacional de Farmácias (ANF).

Esta noite, vão estar de serviço pelo menos 320 farmácias na região centro, no âmbito de um plano de reforço adoptado pela associação após os incêndios do fim de semana, que causaram 42 mortos e cerca de 70 feridos.

“Há 37 farmácias ainda sem comunicações, por danos causados pelos incêndios, que lhes são alheios. Na manhã de segunda-feira chegaram a ser 87, pelo que este dado regista uma evolução positiva”, destaca a ANF, em comunicado.

As duas farmácias que arderam nos incêndios retomaram a actividade.

A Farmácia da Lajeosa do Dão, no concelho de Tondela, já está a servir a população desde terça-feira, nas instalações da Junta de Freguesia.

A Farmácia Central, em Melo, concelho de Gouveia, voltou a receber encomendas e começa a operar em pleno até quinta-feira de manhã, também nas instalações da autarquia.