Descubra as diferenças de bico calado

Mas, lamentavelmente, o Pedro Calado começou mal. Cita o Mandela com uma frase celebérrima do Kennedy e toma a vanguarda do discurso da sua própria posse em substituição do Miguel Albuquerque.

29 Out 2017 / 02:00 H.

“Staff da Assembleia troca Victor por Pedro Calado no protocolo” - DN. 21.10.2017.

1. A escolha do Pedro Calado para Vice-Presidente do Governo Regional da Madeira com a tutela das finanças e da economia apenas peca por tardia. A razão é muito simples: é tecnicamente competente e leal ao Miguel Albuquerque enquanto este render votos. O Rui Gonçalves - útil na fase do plano de assistência económica e financeira - “demitiu-se” de forma pública discreta. O Eduardo Jesus – que devia ter sido mantido na Secretaria Regional do Turismo pelo bom desempenho nesse especifico sector – foi “dispensado” ameaçando publicamente “manter-se atento aos dossiers que iniciou, em particular, o dos transportes”. Sem qualquer decoro e discrição pública eticamente exigíveis a um ex-secretário regional – “dossier dos transportes” significa o concurso do ferry e o Grupo Sousa – o Eduardo Jesus assume a qualidade de deputado do PSD-M na Assembleia Legislativa Regional da Madeira sob o manto da conspiração politica do seu voto. Se a “dispensa” foi desleal, pois bem, convolou-a em leal. Está aos ombros da oposição regional. Bela selfie!

2. Um Pedro Calado como administrador do Grupo AFA a invocar a bíblia em acções de solidariedade social, a erguer o Savoy rumo ao inferno da Madeira ou a planear um acordo com o Teodoro Mbasogo da Guiné Equatorial – “estará sempre do outro lado da noite.” Deus, diabo, andaimes e dinheiro africano qualifica o Grupo AFA numa “empresa” de negócios escuros. Ou seja, especializada em tuneis.

3. Falta, pois, saber que Pedro Calado temos no Governo Regional da Madeira. Se é o Pedro Calado administrador do Grupo AFA – esqueçam. Se é o Pedro Calado leal ao Miguel Albuquerque, competente e desamarrado do Grupo AFA – então teremos um Governo Regional da Madeira mais expedito, dinâmico e decidido a pegar num dossier e só o largar quando resolvido. Trabalho e determinação, por favor, precisa-se.

4. Mas, lamentavelmente, o Pedro Calado começou mal. Cita o Mandela com uma frase celebérrima do Kennedy e toma a vanguarda do discurso da sua própria posse em substituição do Miguel Albuquerque. Ora, se não se pode exigir ao Pedro Calado um nível literário superior ao do Dr. Google – gajo “bom como o milho” e culto é espécie extinta na Madeira - já exercer os poderes funcionais do Presidente do Governo Regional da Madeira pressagiam o pior. Os assessores escolhidos cheiram a dedinho de Jardim.

5. O estatuto de Vice-Presidente do Governo Regional da Madeira vai envaidecer o Pedro Calado e torná-lo cada vez mais afrodisíaco aos olhos húmidos do mulherio cá do sitio. Por isso, antes da sua mulher, amante, namorada, sopeira, cabeleireira ou periquita de estimação sair de casa, coloque-lhe um cinto de castidade de controlo remoto. Cintos de castidade de fechaduras ferrugentas e contrafeitos na idade média qualquer loja de ferragem, duplica a chave da sua mulher.

6. Tal como o protocolo da Assembleia Legislativa Regional da Madeira – assegurado pelas famosas adjuntas do Dr. Tranquada Gomes - não sei distinguir o Pedro Calado do irmão gémeo Victor Calado. Um cumprimenta-me bem, outro cumprimenta-me tipo prego malpassado. Aos dois faço um sorriso entupido de incerteza. Um problema de identidade que a Dra. Cristina Pedra, na qualidade de Presidente da ACIF, talvez possa resolver. Os calores das adjuntas do Dr. Gomes não se refrescam com leques. Please, help me and them!

7. E, já agora, esclareça-nos Dra. Cristina Pedra: qual deles tomou posse no cargo de Vice-Presidente do Governo Regional da Madeira? O Pedro ou o Victor Calado? Os dois?

António Fontes