Educação Física na Escola

21 Nov 2016 / 02:00 H.

Uma aula de Educação Física na escola é um momento diferente, argumentem o que argumentarem, a disciplina de Educação Física não pode ser comparável a nenhuma outra disciplina, tanto ao nível das práticas, do contexto envolvente, dos espaços e muito menos no âmbito da avaliação, por isso, não lhe enfiem o mesmo fato das outras. Naturalmente que existem vários modelos de aulas de Educação Física, cada um com a sua legítima fundamentação. No entanto, apesar de se promover, cada vez mais, e de haver, inclusive, um investimento na sensibilização e promoção da atividade física, enquanto hábito de vida saudável, a verdade, porém, é que a disciplina de Educação Física na escola passa, há algum tempo, por um problema de desvalorização por parte de muitos alunos, encarregados de educação e sociedade em geral. É evidente que a falta de qualidade de muitos dos recintos desportivos, balneários, equipamentos, materiais e escassez de água quente são fatores desmotivantes e desmobilizadores.

É necessário encarar o problema de frente e encontrar algumas soluções exequíveis, porque a disciplina de Educação Física assume um papel insubstituível no desenvolvimento integral dos alunos. Os benefícios destas aulas, em termos de saúde física, mental e emocional são incalculáveis, porque ao trabalharem a parte motora do corpo estimulam nos alunos os componentes da autoestima, do bem-estar, das relações interpessoais, da capacidade de concentração, raciocínio, autonomia e pensamento, com ganhos relevantes em todas as outras disciplinas.

Para mim, estas aulas devem ser espaços privilegiados de atividade física, onde se deve aprender novos movimentos e a conhecer as limitações do corpo, a competir consigo próprio e com o outro, a respeitar o adversário, a conhecer as regras dos jogos, a tomar consciência dos espaços e das sinaléticas específicas, mas tudo através da atividade física, através da prática das diversas modalidades desportivas, sem a utilização de manuais, sem o recurso a aulas teóricas dentro de salas, testes escritos, trabalhos teóricos na escola ou em casa. Ensinar e motivar durante a atividade prática.

Além das condições de trabalho e do tipo de avaliação, que deverá ser assumida como um processo dinâmico de construção de saberes, o modelo das aulas também deveria ser alvo de um profundo debate e consenso, no sentido de construírem um conjunto de propostas concretas, consensuais e transformadoras das práticas, em prol dos interesses dos alunos e dos objetivos da própria disciplina.

Rui Caetano

Tópicos

Outras Notícias