Água e fogo

É para isso que trabalhamos todos os dias: pela segurança e pela vida de todos.

14 Nov 2017 / 02:00 H.

DOs últimos anos da nossa vida coletiva foram marcados por sucessivas catástrofes naturais que mudaram para sempre a forma como vivemos. Umas vezes pela força da água, outras pela do fogo, fomos confrontados com vários momentos duros e de nada serve procurarmos explicações extraordinárias para o que se vem tornando cada vez mais evidente: os efeitos das alterações climáticas já se fazem sentir também na Região.

Na semana passada, os primeiros ventos fizeram-se sentir e foram as árvores a dar-nos um sinal: sem chuva é a sua resistência que diminui e os seus ramos e troncos que caem mais facilmente, o que nos obriga a um esforço redobrado para garantir a segurança de todos. Desde a primeira hora, um pouco por todo o Funchal responsáveis pela Protecção Civil Municipal, especialistas da área ambiental, bombeiros e forças de segurança cumpriram o seu papel de identificação de situações de risco primeiro e de intervenção depois, numa actividade que se estendeu muito para lá do vento.

As alterações climáticas estão aí e os seus efeitos também – e enquanto não arranjarmos forma de travá-las, quanto mais de invertê-las, cabe-nos fazer o que está ao nosso alcance para menorizarmos riscos e garantirmos que estamos todos preparados para a acção, sempre que ela for necessária. Ao poder político cabe garantir que são criadas todas as condições necessárias para que nada falhe na diminuição do risco, na prevenção das tragédias e na resposta imediata para a acção.

No Funchal, a segurança dos nossos munícipes e daqueles que nos visitam é uma prioridade que está presente em todas as nossas opções. Não poderia ser de outra maneira. Para além do reforço dos recursos humanos e materiais disponíveis, a preparação do Inverno de 2017 assenta na coordenação entre todos os intervenientes: entre o poder politico e os nossos dirigentes, técnicos e operacionais; entre as unidades, divisões e departamentos do município, os nossos Bombeiros e o Serviço Municipal de Protecção Civil; e, finalmente, entre todas as estruturas municipais e as regionais com quem trabalhamos, como são disso exemplo os Bombeiros Voluntários Madeirenses, a Cruz Vermelha Portuguesa e o Serviço Regional de Protecção Civil.

Menos de um mês depois de iniciarmos um novo mandato, o que podemos garantir é que temos feito tudo o que está ao nosso alcance para estarmos preparados para todas as circunstâncias - e ao mesmo tempo em que aumentam os imponderáveis que enfrentamos e aquilo que não controlamos, aumenta também a nossa prevenção, a nossa preparação e a nossa capacidade de resposta. Quando formos chamados a intervir, nada, nem ninguém, pode falhar. É para isso que trabalhamos todos os dias: pela segurança e pela vida de todos.

João Pedro Vieira