Vice-presidente dos EUA diz que uma “ditadura” na Venezuela é “inaceitável”

14 Ago 2017 / 09:09 H.

O vice-presidente dos Estados Unidos disse no domingo, na cidade colombiana de Cartagena das Índias, ser “inaceitável” uma “ditadura” na Venezuela e afirmou que a Casa Branca vai continuar a pressionar Caracas para que a democracia seja restaurada.

“Uma ditadura na Venezuela é totalmente inaceitável, não só para o nosso Presidente e para os Estados Unidos mas para toda a região”, disse Mike Pence numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, está na Colômbia, primeira etapa daquele que é, até ao momento, o périplo ao mais alto nível da administração de Donald Trump à América Latina.

Este périplo será marcado pela atual crise política na Venezuela e pelas recentes declarações do Presidente norte-americano sobre uma possível “opção militar” naquele país.

“Temos várias opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se necessário”, afirmou, na sexta-feira passada, o chefe de Estado norte-americano, sem precisar mais detalhes.

“A Venezuela não é longe e há pessoas que sofrem e pessoas que morrem”, acrescentou Trump.

No momento da partida, Mike Pence avançou na rede social Twitter os propósitos desta viagem: “Em nome de POTUS [sigla em inglês usada para referir o Presidente dos Estados Unidos], partimos rumo à Colômbia para encontrarmo-nos mais tarde com o Presidente Juan Manuel Santos”.

Durante a próxima semana, Pence irá deslocar-se também à Argentina, ao Chile e ao Panamá.

“Colômbia, Argentina, Chile e Panamá representam o futuro, o futuro da liberdade, a oportunidade, o comércio e o crescimento, enquanto a Venezuela continua no passado de ditaduras e de opressão”, declarou, por sua vez, um alto funcionário da Casa Branca, que pediu para não ser identificado.

Com esta viagem, Mike Pence vai procurar reafirmar o compromisso do governo de Trump com a América Latina e fortalecer o esforço multilateral para isolar a Venezuela, país envolvido numa profunda crise económica e política.

Colômbia, Argentina, Chile e Panamá constam entre os 12 países que concordaram esta semana em Lima (Peru) não reconhecer qualquer decisão da recém-instalada Assembleia Constituinte.

A instalação recente da Assembleia Constituinte, descrita pela oposição como uma tentativa de instaurar uma “ditadura comunista” na Venezuela e qualificada pelos Estados Unidos como “ilegítima”, aumentou a tensão nas relações Caracas/Washington. Os dois países deixaram de estar representados ao nível de embaixadores desde 2010.

A Venezuela vive a sua pior crise política desde há décadas, com manifestações das quais resultaram 125 mortos e milhares de feridos em quatro meses, mas o Presidente venezuelano Nicolás Maduro, cuja saída é exigida pelos manifestantes, tem permanecido impassível face às pressões internacionais.