Reino Unido pode pagar para ter acesso ao mercado único

02 Dez 2016 / 05:49 H.

O Reino Unido admite pagar para continuar a ter acesso ao mercado único europeu depois de sair da União Europeia, disse o ministro responsável pelas negociações do ‘Brexit’, incrementando as esperanças dos investidores numa saída “suave”.

David Davis foi questionado no parlamento sobre se o governo iria considerar dar “qualquer contributo, sob qualquer forma, para aceder ao mercado único” depois de se retirar do bloco comunitário.

Na resposta, afirmou: “Há uma diferença entre escolher uma política individual e estabelecer um critério principal, e o principal critério é obter o melhor acesso possível dos bens e serviços ao mercado europeu. Se isso está incluído no que está a falar, então, naturalmente, iremos considerá-lo”.

Depois dos comentários de Davis, a cotação da libra subiu relativamente ao euro e ao dólar, face à expectativa de que o Reino Unido mantenha as ligações com o seu maior parceiro comercial.

A porta-voz da primeira-ministra negou que tivesse havido uma mudança de estratégia, dizendo que Londres já tinha dito que “compete ao Governo britânico tomar decisões sobre como o dinheiro dos contribuintes será gasto” e acrescentou que “todas estas questões serão um tema para a negociação”.

Davis também confirmou que o Governo procuraria negociar tanto as condições de saída da União Europeia (’Brexit’) como os futuros acordos comerciais durante o processo de dois anos que vai demorar a retirada: “Queremos tratar dos dois em simultâneo ao longo destes dois anos”.

O Governo britânico disse que pretende fazer uma notificação formal da sua intenção de deixar a UE até ao final de março, iniciando uma contagem de dois anos até ao “divórcio”.

Tópicos

Outras Notícias