Petição europeia contra o desperdício alimentar com mais de um milhão de assinaturas

Europa /
04 Fev 2018 / 05:40 H.

Uma petição realizada em sete países europeus contra o desperdício alimentar alcançou hoje de manhã mais de um milhão de assinaturas, de acordo com o ‘site’ ‘change.org’, que alberga o documento.

O texto, dirigido aos supermercados de todos os Estados-membros da União Europeia, reclama a obrigatoriedade da doação dos alimentos não vendidos às instituições de caridade que os reclamem, em vez de os deitarem no lixo ou de os destruírem, como já acontece em França, por imposição de uma lei, desde há dois anos.

A petição foi lançada simultaneamente em França e em outros seis países (Grécia, Espanha, Alemanha, Bélgica, Itália e Reino Unido).

A moção inspira-se no modelo das Iniciativas de Cidadãos Europeus (ECI), permitidas desde 2012, e do Tratado de Lisboa, que concede um direito de apresentação de propostas políticas a uma assembleia com pelo menos um milhão de cidadãos da UE oriundos de pelo menos um quarto dos países membros.

O documento tem apenas um significado simbólico, já que nunca foi registada no ‘site’ da União Europeia, mas o seu principal promotor, o conselheiro municipal de Courbevoie (região de Paris) Arash Derambarsh, entregou-a, quando chegou às 890 mil assinaturas, à Comissária europeia para a Segurança Alimentar, Vytenis Andriukaitis.

Com o seu milhão de assinaturas, os promotores esperam agora convencer o presidente francês, Emmanuel Macron, a apresentar um projeto de diretiva para alargar a lei francesa a toda a União Europeia, indica o texto.

“Em 2018, espero eu, este texto será apresentado pela França na mesa do Conselho Europeu” para forçar todo o sistema europeu de distribuição de alimentos a participar do esforço anti- desperdício, disse Derambarsh à AFP.

“No Eliseu foi-me dito: vamos fazê-lo em 2018”, afirmou.

Em França, devido à lei, nos últimos dois anos aumentou em 22% o número de refeições distribuídas por instituições de caridade a pessoas com fome, de acordo com Geneviève Wills, presidente da delegação francesa do Programa Alimentar Mundial, uma agência da ONU que trata da segurança alimentar.

Outras Notícias