Papa agradece “testemunho exemplar” de 60 espanhóis assassinados na guerra civil

12 Nov 2017 / 12:44 H.

O papa Francisco agradeceu hoje o “testemunho exemplar” dos 60 espanhóis vítimas de perseguição religiosa e assassinados durante a guerra civil, que foram beatificados hoje numa cerimónia que decorreu no Palácio Vistalegre, em Madrid, Espanha.

“Todos foram mortos pela perseguição religiosa que ocorreu durante a guerra civil espanhola entre 1936 e 1937. Devemos agradecer a Deus por este grande presente destas testemunhas exemplares”, disse Francisco após a oração dominical.

A cerimónia de beatificação foi celebrada pelo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos do Vaticano, o cardeal Angelo Amato, na presença dos arcebispos de Madrid, Carlos Osoro e de Valência, Antonio Cañizares, e de cerca de 3.000 fiéis.

Os beatos que foram reconhecidos como “mártires” são os religiosos José María Fernández Sánchez e outros 32 companheiros da Congregação da Missão, conhecida como a família vincentina, assassinada em 1936 e seis leigos, cavaleiros da Medalha Milagrosa.

Foi também reconhecido outro grupo liderado pelo padre Vicente Queralt Lloret, nascido em Barcelona em 1894, e que foi preso e assassinado em 30 de novembro de 1936.

Este grupo inclui seis companheiros de Queralt, cinco diocesanos, duas irmãs, Filhas da Caridade e sete leigos da Associação dos Filhos da Maria da Medalha Milagrosa.