Navio patrulha português intercepta iate de luxo com 50 migrantes escondidos

Há 3 semanas o mesmo navio da Marinha contribuiu para o desmantelamento de outra rede de introdução clandestina de migrantes na Europa

Europa /
13 Ago 2017 / 11:50 H.

Ao largo da Itália, durante o início da madrugada de ontem, o navio patrulha da Marinha ‘Tejo’ detectou e interceptou um iate de luxo roubado, com 4 traficantes russos e 50 migrantes a bordo. Uma mulher, 23 homens, 25 jovens masculinos e um recém-nascido, de nacionalidades do Iraque e Irão, encontravam-se escondidos na embarcação, informa um comunicado da Marinha.

O comportamento suspeito, por se tratar de um veleiro com apenas 4 pessoas visíveis no convés, mas aparentemente pesado na linha de água e com todas as escotilhas abertas, e que não respondeu às chamadas rádio da patrulha da Marinha portuguesa, levou a que o navio enviasse até junto do veleiro uma embarcação com uma equipa de Fuzileiros portugueses e com um agente da autoridade italiana da Guarda di Finanza, que se encontra embarcado a bordo do navio da Marinha. O veleiro com os migrantes, traficantes e os agentes da Guarda di Finanza seguiram para o porto de Otranto escoltados pelo ‘Tejo’. Segundo informação das autoridades italianas o veleiro havia sido roubado há alguns dias.

Há precisamente 3 semanas o mesmo navio da Marinha contribuiu para o desmantelamento de outra rede de introdução clandestina de migrantes na Europa, depois de ter detectado e seguido em alto-mar durante dois dias, entre a Grécia e a Itália, um iate de luxo que transportava a bordo 45 migrantes escondidos no seu interior.

O navio patrulha da Marinha ‘Tejo’ está desde o passado dia 22 de Julho integrado nesta operação internacional conjunta de segurança marítima no âmbito da Agência Europeia de Fronteiras e Guarda Costeira – FRONTEX, para o controlo e vigilância das fronteiras marítimas e combate ao crime transfronteiriço, estando igualmente preparado para efectuar salvamento de migrantes náufragos. A bordo do navio segue também uma inspectora portuguesa do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e um agente italiano da Guarda de Finanças.

Outras Notícias