Mais de 270 detidos em manifestações no 65.º aniversário de Putin

08 Out 2017 / 04:22 H.

Mais de 270 apoiantes do opositor russo na prisão Alexeï Navalny foram ontem detidos, segundo uma ONG, em manifestações não autorizadas na Rússia, incluindo em São Petersburgo, cidade natal do Presidente, Vladimir Putin, que ontem completou 65 anos.

A mobilização, como a resposta policial, foi, no seu conjunto, claramente inferior à das manifestações da primavera que reuniram dezenas de milhares de pessoas, sobretudo jovens.

Mas, a cinco meses das eleições presidenciais, os protestos constituem um desafio directo a Putin -- que deverá candidatar-se a um quarto mandato na próxima primavera -, no dia do seu aniversário, habitualmente assinalado por numerosos festejos de louvor.

Navalny apelou na passada segunda-feira aos seus apoiantes para saírem à rua, depois de ter sido condenado a 20 dias de prisão por convocar manifestações não autorizadas, naquele que é o seu terceiro encarceramento este ano.

Houve concentrações em 80 cidades russas, do Extremo Oriente ao Báltico, incluindo em Moscovo, mas o mais importante cortejo realizou-se em São Petersburgo (noroeste), segunda cidade do país, onde 3.000 pessoas desfilaram pelo centro da cidade, gritando “Liberdade para Navalny!”, antes de se iniciarem as detenções, segundo a agência de notícias francesa AFP, no local.

O número de detenções atingiu 62 em São Petersburgo, elevando o total na Rússia para 271, segundo a ONG especializada OVD-Info.

Testemunhas inquiridas pela AFP relataram detenções com recurso à força e pessoas ensanguentadas.

Por seu turno, a polícia de São Petersburgo deu conta de 38 pessoas detidas -- “por entraves à circulação de viaturas”, precisando que tinham sido todas libertadas.

Segundo a polícia, a manifestação de São Petersburgo juntou “cerca de 1.800 pessoas”.

Outras Notícias