Israel ordena que habitantes de aldeia beduína desmantelem as suas próprias casas

Os residentes vivem no local desde a década de 1950, depois de serem expulsos de suas casas no sul de Israel. Caso pode chegar aos tribunais internacionais. UE apoia a comunidade de 181 pessoas

23 Set 2018 / 14:00 H.

As forças de segurança israelitas ordenaram hoje aos habitantes da aldeia beduína de Jan al-Ahmar, no território palestiniano ocupado da Cisjordânia, que os próprios desmantelem as suas casas e deixem a zona antes do mês de Outubro.

“De acordo com uma decisão do Tribunal Supremo, os residentes de Jan al-Ahmar receberam um aviso hoje que exige que demulam todas as estruturas no local antes de 1 de Outubro de 2018”, referiu um comunicado da Unidade de Coordenação das Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT).

A nota referiu ainda que a justiça avaliou que foram construídas no local habitações e outras estruturas “sem as licenças necessárias”.

A notificação foi entregue “conforme a obrigação do Estado de permitir que os residentes de Jan al-Ahmar levem a cabo a demolição eles mesmos”, indicou ainda a nota.

Esta aldeia é uma das 18 localidades beduínas em risco de demolição desde que foi aprovado o projeto urbanístico israelita conhecido como “Corredor E1”, que pretende ligar Jerusalém ao colonato judeu de Maale Adumin, o que fragmentaria a continuidade territorial palestiniana, segundo denuncia a comunidade internacional.

O caso desta vila - e a deslocação dos seus 181 habitantes -- está há nove anos a ser debatido a nível judicial.

No dia 24 de Maio, o Tribunal Supremo ratificou a ordem de demolição do povoado, situado na área C da Cisjordânia, sob controlo militar e civil israelita, segundo os Acordos de Oslo e onde Israel apenas concede permissões de construção, segundo denuncias as organizações não-governamentais.

O Parlamento Europeu aprovou, na semana passada, uma resolução opondo-se à ordem de demolição e fez um apelo para que a União Europeia atue de imediato para garantir que os residentes conservem as suas casas.

O Presidente palestiniano, Mahmud Abás, anunciou que levará o caso de Jan al-Ahmar ao Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), tal como ao Tribunal Penal Internacional (TPI).

Israel afirma que as estruturas do povoado, em sua maioria barracas e tendas improvisadas, foram construídas sem permissão e representam um perigo para os seus habitantes pela proximidade com uma autoestrada.

Os residentes vivem no local desde a década de 1950, depois de serem expulsos de suas casas em Neguev (sul de Israel) e argumentam que não podem construir de outro modo porque Israel não fornece as permissões de construção.