Comissário da Energia diz que UE está a perder terreno na mobilidade elétrica

China /
07 Nov 2017 / 16:21 H.

O comissário europeu da Energia, Miguel Arias-Canete, alertou hoje para que a União Europeia está a perder terreno na mobilidade elétrica, defendendo um período de transição “flexível”, já que a indústria automóvel tradicional emprega 12,5 milhões de pessoas.

À margem da conferência sobre financiamento do pacote de medidas de energia limpa, promovida pelo Parlamento Europeu e pela Comissão Europeia, em Bruxelas, Miguel Arias-Canete, revelou estar preocupado com a resposta da indústria automóvel à transição para a mobilidade elétrica.

“Há um desafio tecnológico. A União Europeia está a perder terreno na mobilidade elétrica”, afirmou aos jornalistas o responsável pela Energia na Comissão Europeia, referindo que o processo de transição para a eletrificação seja flexível, uma vez que a indústria representa cerca de 12,5 milhões de postos de trabalho.

Miguel Arias-Canete defendeu que as medidas previstas no pacote de iniciativas para a descarbonização da União Europeia “terão benefícios para os consumidores europeus”, mas “o problema é quem desenvolve o veículo elétrico”.

“Importamos da China como outras coisas ou desenvolvemos? Se formos competitivos, a indústria europeia pode vir a exportar”, declarou, considerando que as novas metas para as emissões poluentes nos transportes têm que ter em conta a necessidade de adaptação.

Outras Notícias