Combates entre forças líbias e terroristas provocam pelo menos 10 mortos

Líbia /
15 Jan 2018 / 15:57 H.

Combates entre as forças líbias e um grupo terrorista num setor do aeroporto internacional de Mitiga, perto de Tripoli, provocaram pelo menos dez mortos, comunicou o Governo de União Nacional da Líbia (GNA).

Estes confrontos sucederam ao ataque dos terroristas ao aeroporto e arredores, onde se situa “uma prisão, onde estão detidas mais de 2.500 pessoas por delitos vários”, como indicou a força al-Radaa, encarregada da segurança do local e que depende do Ministério do Interior líbio.

A direção da Segurança de Tripoli, que depende igualmente daquele ministério, revelou que muitos terroristas foram detidos pelas forças líbias e sublinhou que “todas as infraestruturas da base militar e do aeroporto estão sob controlo das autoridades e não sofreram danos”.

O grupo de terroristas não foi identificado, mas o GNA, chefiado por Fayyez al-Sarraj, referiu, em comunicado, que o ataque visava libertar “terroristas pertencentes às organizações Estado Islâmico e Al-Qaeda e a outros grupos”, detidos na prisão anexa ao aeroporto pela al-Raada.

Os mortos, que o Ministério da Saúde não precisou se se tratam de civis ou militares, foram transportados para as morgues de dois hospitais distintos.

Os 15 feridos resultantes dos confrontos, dos quais duas com gravidade, foram transportados para o hospital de Misrata.

O aeroporto internacional de Mitiga, o único da capital atualmente operacional, que tem substituído o de Tripoli, danificado em 2014, suspendeu o tráfego aéreo “no decorrer dos combates”, que levaram também ao bloqueio de todas as estradas da zona.

“O pessoal do aeroporto e os passageiros foram retirados” logo que os confrontos começaram, afirmou à agência France Presse um piloto líbio.

A União Europeia interditou todas as companhias líbias no espaço aéreo europeu por “razões de segurança”, pelo que apenas operam no país africano as companhias de voos internos e se asseguram as ligações regulares com Tunis, na Tunísia), Alexandria, no Egito, Istambul, na Turquia, Amã, na Jordânia, e Cartum, no Sudão.

Outras Notícias