China pede igualdade de condições para as suas empresas após veto de Washington a aquisição

China /
03 Jan 2018 / 10:36 H.

A China pediu hoje aos Estados Unidos “igualdade de condições” para as suas empresas, após um comité do Governo norte-americano ter travado a aquisição da firma de transferências monetárias MoneyGram por uma entidade chinesa.

“Queremos trabalhar com os EUA na base do respeito e benefício mútuos, para avançar na nossa cooperação económica”, afirmou em conferência de imprensa o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Geng Shuang.

Geng afirmou ainda que o Governo chinês “encoraja sempre as suas empresas a seguir as práticas do mercado, as regras internacionais e as leis locais”.

As declarações de Geng surgem após o Comité para o Investimento Externo dos Estados Unidos ter travado a venda do MoneyGram a uma subsidiária do grupo chinês Alibaba, por 1,2 mil milhões de dólares (995 milhões de euros).

Aquele organismo é responsável por rever aquisições por entidades estrangeiras suscetíveis de ameaçar a segurança nacional dos Estados Unidos.

A Ant Financial, subsidiária do Alibaba, acordou em janeiro de 2017 adquirir o MoneyGram.

Firmas chinesas têm realizado grandes aquisições de empresas tecnológicas e marcas estrangeiras, sobretudo na Europa e nos Estados Unidos.

A maioria dos negócios decorre sem incidentes, mas outros suscitam críticas devido à possibilidade de representarem uma ameaça à segurança do respetivo país ou à perda de ativos importantes.

O país asiático tornou-se nos últimos anos um dos principais investidores em Portugal, comprando participações em grandes empresas das áreas da energia, seguros, saúde e banca.

Outras Notícias