Caso de poliomielite detectado na Venezuela após décadas de erradicação da doença

10 Jun 2018 / 11:56 H.

Um caso de poliomielite foi reportado na Venezuela, que enfrenta uma grave crise económica e política, décadas após a erradicação da doença no país, anunciou hoje a Organização Pan-americana da Saúde.

Segundo esta organização, a situação diz respeito a uma criança que não foi vacinada e que reside numa região particularmente pobre no estado de Delta Amacuro.

A poliomielite é uma doença que afeta a espinhal medula e pode causar paralisia. Atinge, sobretudo, as crianças e pode ser prevenida com a toma da vacina.

O último caso de poliomielite assinalado na Venezuela remonta a 1989, disse à agência France-Press o ex-ministro da Saúde Jose Felix Oletta.

“Este vírus afeta particularmente as pessoas que estão subnutridas e não foram vacinadas”, explicou o antigo ministro, que criticou as autoridades do governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, por esperarem mais de um mês para notificar a Organização Pan-americana da Saúde sobre o caso, quando os regulamentos internacionais dão um período de 24 horas para que tal suceda.

Atingida por uma grave crise económica e política, a Venezuela registou o ano passado 85% de todos os casos de sarampo no conjunto de todos os países da América Latina e Caraíbas, de acordo com aquela organização.

Dos 1.685 casos de sarampo assinalados naquela região, 1.427 tiveram origem na Venezuela.

Em 07 de abril, o Presidente da Venezuela anunciou o lançamento de um plano de vacinação “totalmente gratuito” de mais de 11 milhões de doses a desenvolver até 13 de maio e que contava com a assessoria da Organização Mundial da Saúde.

Segundo Nicolás Maduro, o plano incluía vacinas contra a tuberculose, hepatite B, poliomielite, sarampo e difteria, entre outras doenças.