Cabo Verde quer afirmar-se como plataforma tecnológica de referência em África

16 Abr 2018 / 17:21 H.

Cabo Verde quer afirmar-se como uma plataforma tecnológica de referência em África e com capacidade de exportação, disse hoje o primeiro-ministro, na cidade da Praia, no arranque de uma semana dedicada à ciência, tecnologia e inovação.

“Cabo Verde tem uma grande oportunidade de se afirmar como uma plataforma tecnológica de referência em África”, disse Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas depois de uma visita à empresa tecnológica Bonako, que cria jogos e aplicações informáticas, considerando que a empresa representa o que Cabo Verde precisa no futuro.

“Precisamos aproveitar talentos, competências e capacidades dos jovens que estão a produzir coisas muito interessantes, utilitárias, com valor de mercado e capacidade de exportar”, sublinhou o chefe do Governo.

A visita à empresa Bonako foi a primeira de outras que Ulisses Correia e Silva vai fazer a empresas do setor, culminando a semana com a realização do encontro CV Next, uma iniciativa governamental de promoção de inovação, tecnologia e ciência para “divulgar aquilo que se faz de bom em Cabo Verde nesta área”.

O evento irá juntar, na Cidade Velha, estudantes, académicos, homens de negócios, empreendedores e políticos “que produzem impactos na arte, na ciência e na tecnologia”, segundo a organização.

Do programa do encontro, que pretende ser igualmente “uma marca” para projetar Cabo Verde para futuro, destaca-se uma conversa entre o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e o diretor do Cambridge Innovation Center, Tim Rowe.

A Cabo Verde Next (CV NEXT) deverá passar a realizar-se anualmente, envolvendo também cabo-verdianos da diáspora.

“Servirá para apoiar e fortalecer esse ecossistema de inovação e conectar as pessoas a partir de Cabo Verde e no exterior. Pretendemos criar uma comunidade de milhares de pessoas inteligentes, curiosas e criativas, trabalhando para construir um futuro melhor”, adianta a organização.