Bispos da Chile manifestam apoio ao papa Francisco

Chile /
04 Set 2018 / 12:49 H.

Os bispos do Chile que compõem o Comité Permanente da Conferência Episcopal expressaram hoje a sua fidelidade ao papa Francisco, num momento em que a Igreja está envolta em polémica devido a casos de abuso sexual cometidos pelo clero.

Numa carta enviada ao papa, os padres chilenos expressaram o seu apoio, considerando que Francisco “está a receber ataques injustos como resultado de avaliações imprudentes e imputações injustas por parte de membros da mesma Igreja”.

Na segunda-feira, também os bispos portugueses manifestaram “total apoio” ao papa Francisco, numa carta enviada ao líder da Igreja Católica, em que se declaram disponíveis para seguir as suas orientações para erradicar a “chaga” do abuso de menores por padres.

Embora o episcopado chileno não tenha especificado “o sofrimento” que afecta o papa, o apoio é dado no contexto das acusações contra o pontífice por parte do arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio da Santa Sé em Washington entre 2011 e 2016.

O arcebispo acusou o papa de silenciar os abusos cometidos pelo cardeal americano Theodor McCarrick, que terá que ser julgado em breve no Vaticano.

Numa carta publicada a 26 de agosto, Viganò disse que o papa Francisco reabilitou McCarrick no seu posto, embora soubesse desde 2013 das acusações contra ele e das sanções que Bento XVI lhe impôs.

Nessa linha, os bispos chilenos assinalaram: “observando a persistência de momentos difíceis, que também sofremos hoje, vêm à mente as palavras de São Paulo: ‘Que ninguém vacile por esses sofrimentos àqueles que, como vós, você sabe, estamos destinados.’”

Referindo-se à última carta do papa ao “Povo de Deus”, expressaram a sua união no sofrimento, bem como a intenção de transformar dificuldades e opressão num tempo de oração e penitência.

Em 31 de Agosto, a Procuradoria Nacional do Chile informou que há actualmente 167 pessoas acusadas e 178 vítimas quantificadas em 119 investigações abertas sobre abuso sexual por parte de elementos do clero católico.

Além disso, entre o total de vítimas, 79 eram menores no momento em que os eventos ocorreram.

No início de Agosto, num gesto de transparência da Igreja chilena, o Comité Permanente da Conferência Episcopal do Chile publicou uma lista com os nomes de 43 padres e um diácono condenado, pela justiça civil ou canónica, por abuso sexual de menores.

Outras Notícias