último comentário

Quase dez anos sem nascer uma criança

Sem alternativas de emprego os mais jovens deixam as Achadas da Cruz

12/07/2009 20:57
GF;SO
1 comentário
Tags
Vídeo
Ferramentas
+A  A  -A
Interessante
Achou este artigo interessante?
 

Durante oito anos não nasceu nenhuma criança nas Achadas das Cruz. Com apenas seis meses Vitória Sofia veio dar um novo alento a esta freguesia do Porto Moniz.
Crianças há poucas, idosos são a grande fatia populacional de uma freguesia com pouco mais de duas centena de habitantes.
Sem grandes alternativas de emprego os jovens mudam-se para a vila do Porto Moniz, para o Funchal e há também quem recorra à emigração.
O teleférico, uma mercearia, dois cafés, e o centro de saúde são os únicos serviços disponíveis nas Achadas da Cruz. “Temos tudo no Porto Moniz”, assegura Maria José que sublinha que mesmo para quem não tem carro “há muitas camionetas”.
Moisés Açafrão já esteve à frente dos destinos da freguesia, agora dedica-se ao café na estrada principal. Para o antigo presidente da Junta de Freguesia a solução para as Achadas da Cruz passaria por fixar os jovens à freguesia.
Já são poucos os que se dedicam à agricultura e são sobretudo os mais velhos que cultivam os campos.
É este o retrato da freguesia que viu nascer Vitória Sofia. A mãe, Verónica não teme os contratempos de viver numa freguesia pequena e espera que o futuro seja promissor ao mais novo habitante das Achadas da Cruz.

1

Comentários

Este espaço é destinado à construçăo de ideias e à expressăo de opiniăo.
Pretende-se um fórum construtivo e de reflexăo, năo um cenário de ataques aos pensamentos contrários.

2
updown

alguem poderia me informar o que a madeira produz, e baseada em que setor produtivo, estou longe a 36 anos, essa população esta velha demais, agradeceria por essas informações, obrigado

O nome que será apresentado como autor do comentário.
O conteúdo deste campo é privado e não será exibido publicamente.

Outras relacionadas...

Espaço participação

Que soluções para melhorar a mobilidade nas regiões insulares?

Quais as estratégias e as opções políticas a seguir em termos de transportes marítimos e aéreos?