Time-sharing na Madeira tem decrescido com o principal mercado a ser o inglês

11 Jul 2018 / 09:31 H.

A utilização do sistema de aluguer partilhado de alojamento ‘time-sharing’ tem vindo a diminuir na Madeira e o mercado inglês é o que mais o usufrui, de acordo com um estudo da Direção Regional de Estatística (DREM).

O “primeiro estudo estatístico com dados oficiais a ser apresentado sobre esta modalidade [de alojamento]” surge no âmbito do primeiro colóquio de estatística regional.

O estudo sobre a permanência em estabelecimentos de ‘time-sharing’ abarca os anos de 2016 e 2017 e identifica 14 estabelecimentos, com 1.051 quartos para um total de 2.527 camas, na Madeira.

De acordo com a DREM o ‘time-sharing’ “dá direito a ocupar um local de férias equipado todos os anos, durante uma ou mais semanas definidas”, onde “esse direito é comprado de uma só vez, sob a condição de partilha com outras pessoas, e fica registado no Registo Predial”.

O “inquérito à permanência de hóspedes na hotelaria e outros alojamentos, realizado pelo DREM” mostra que o total de hóspedes, em 2017, foi de 107.868, para um número de dormidas de 683.165, com uma estada média de 6,3 noites.

Dos dados infere-se que há uma tendência de descida de 2016 para 2017, aumentando apenas a estada média em 0,1%.

Os turistas que mais usufruem deste tipo de alojamento são os provenientes do mercado britânico, seguidos dos finlandeses e alemães, ocupando os portugueses o quarto lugar.

O peso do ‘time-sharing’, no total do alojamento em 2017, é de 3,4% e nas dormidas o valor é de 7,7%.

Outras Notícias