Sindicato Democrático dos Professores levanta a greve às actividades de avaliação

12 Jun 2018 / 18:27 H.

O Sindicato Democrático dos Professores da Madeira (SDPM) deliberou esta tarde, o levantamento da greve a todas as actividades de avaliação de final de ano lectivo, que este Sindicato anunciara a partir de hoje e por tempo indeterminado, por considerar que a proposta da Secretaria Regional da Educação (SRE) “vem ao encontro das pretensões dos professores e educadores da Região Autónoma da Madeira, no que respeita à recuperação integral do tempo de serviço”.

Em causa estava nove anos de congelamentos que os professores há muito reclamavam, sem que houvesse, até ao momento, uma resolução que agradasse à classe docente.

Ontem, 11 de Maio, véspera da greve do Sindicato Democrático dos Professores da Madeira e do Sindicato dos Professores da Madeira, a secretaria de Jorge Carvalho enviou aos dois sindicatos, uma proposta de Decreto Legislativo Regional que regula os termos e a forma como se vai processar a recuperação do tempo de serviço prestado em funções docentes, que prevê a recuperação de 545 dias de tempo de serviço congelado por cada novo ano de serviço prestado.

Uma medida que o SDPM considera ser “um passo importante dado pela SRE” à qual não fica indiferente, e traduz-se numa “grande conquista dos docentes da Madeira em que o SDPM teve uma importância decisiva”, considera a direcção do SDPM que, por esta razão, cancelou a greve às avaliações.

O SDPM sempre procurou junto da tutela a recuperação do tempo de serviço e, ainda que sujeira a negociações e aperfeiçoamentos, “é da mais elementar justiça porque decorre de 9 anos, 4 meses e 2 dias de trabalho e esforço de cada professor”.