“Santa Cruz será determinante para a nossa vitória em 2019”, afirma Paulo Cafôfo

20 Jul 2018 / 21:43 H.

O candidato do Partido Socialista-Madeira à presidência do Governo Regional esteve, hoje, reunido, no Caniço, com militantes da concelhia de Santa Cruz e membros do Secretariado do partido.

Aos muitos presentes, Paulo Cafôfo, que foi fortemente aplaudido, manifestou a confiança numa “grande vitória” nas Eleições Regionais e salientou que Santa Cruz será “determinante para ganharmos 2019”.

O candidato começou por referir que “temos um longo caminho a percorrer” e que “a nossa grande força está efectivamente com as pessoas, no nosso contacto directo, naquilo que somos”. “As pessoas cada vez mais acreditam que 2019 não é uma miragem, não é um sonho e será uma realidade com uma grande vitória que vamos ter nas eleições de 2019”, afirmou.

Paulo Cafôfo explicou que o projecto que está a ser estabelecido pelo Partido Socialista “é um projecto com sustentabilidade, passo a passo», tendo pedido aos presentes «empenho e o compromisso de estarmos todos juntos”. “É muito importante a coesão do PS. Nós temos de dar o exemplo de que, ao contrário do que se passa por exemplo agora no PSD, nós estamos unidos, porque temos um objectivo. O objectivo não é só o objectivo de poder, não é só chegar à Quinta Vigia. É fazermos mais e melhor do que o PSD fez nestes 40 anos, com políticas progressistas, com mais humanismo, com inovação, com transparência e com boa gestão financeira”, disse Cafôfo, sublinhando que temos provas de que isso é possível, porque “nas câmaras em que temos governado temos marcado a diferença”.

Por outro lado, o candidato socialista criticou o “rol de promessas que nunca mais acaba” que temos vindo a ouvir por parte do presidente do Governo Regional. “É milhões e milhões todos os dias, e sem qualquer estratégia para a Região”, apontou, considerando que “temos de ter um rumo”. “Não basta dizer que eu quero aumentar a Pontinha mais 400 metros. Isso é para quê? Essa é a prioridade que temos para a Região, quando há tantos problemas para resolver ligados à saúde, por exemplo?”, questionou.